• facebook

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 262 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
SUZANE JARDIM MALANGA QUILOMBOS E QUILOMBAGEM NO ENSINO DE HISTÓRIA: ESTUDO SOBRE A CONTRIBUIÇÃO PARADIDÁTICA DE CLÓVIS MOURA. 2019 CLEBER SANTOS VIEIRA UNIFESP
Resumo
O objetivo desta pesquisa é discutir algumas possibilidades de inserção das temáticas relativas aos quilombos, como principal forma de resistência à escravidão, no ensino de história. Partimos das contribuições de Clóvis Moura presentes em sua obra de referência, o livro Rebeliões da Senzala: quilombos, insurreições, guerrilhas, e em duas obras paradidáticas do autor publicadas entre os anos de 1987 e 1993: os livros Quilombos – resistência ao escravismo e História do negro brasileiro. Estes últimos foram publicados em um contexto no 11 qual o movimento negro vem à público reivindicar nova leitura sobre o passado escravista brasileiro ao mesmo tempo em que o mercado de livros paradidáticos atinge seu ápice. Deste modo, o intuito da pesquisa é analisar as ações do movimento negro no contexto das décadas de 1970 e 1980, à luz das contribuições de Nilma Lino Gomes, e seus impactos no campo editorial, historiográfico e do ensino de história. Para a análise das fontes, recorremos às contribuições de Norman Fairclough e da Análise Crítica do Discurso de modo a compreender de que maneira o discurso presente em Rebeliões da Senzala ecoa nos livros paradidáticos. Por fim, as discussões levantadas ao longo dos primeiro e segundo capítulos são articuladas ao ensino de história, levantando algumas possibilidades de trabalho para o ensino da história dos quilombos na ótica da valorização da história da população afro-brasileira e do combate ao racismo.
Palavras-chave
Ensino de História; Quilombos; Quilombagem; Clóvis Moura; Antirracismo; Movimento negro; ProfHistória
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
SANDRO JOSÉ CELESTE ENSINO DE HISTÓRIA, CANÇÃO E IDENTIDADES AFRO-BRASILEIRAS: O RAP COMO POSSIBILIDADE 2019 JANE BITTENCOURT UFSC
Resumo
Resumo: O presente trabalho buscou explorar as possibilidades do uso de canções no ensino de história, tendo em vista colocar em evidência de que modo a letra e a musicalidade de algumas canções, no caso, do gênero musical rap, podem estimular relações identitárias associadas às múltiplas identidades afro-brasileiras. Para isso, esse estudo pesquisou as relações e potencialidades do uso da canção como linguagem e fonte histórica para o ensino de história, tendo como principais referências Marcos Napolitano, Mirian Hermeto e Circe Bittencourt. O estudo também discute questões relacionadas com a construção da identidade, com base nos Estudos Culturais, segundo autores tais como Kathryn Woodward, Stuart Hall e Tomás Tadeu da Silva e busca aproximar esta discussão do ensino de história. Salientamos de que modo a diversidade e a diferença se relacionam com a temática das identidades afro-brasileiras associadas à constituição da identidade nacional, por meio de ocultamentos e entranhamentos. Esse trabalho também levantou algumas características do gênero musical rap, relacionando-o às identidades afro-brasileiras e analisou, como exemplo, todas as canções contidas em dois discos, “Sobrevivendo no Inferno” (1997) dos Racionais MCs e “Nó na Orelha” (2011) de Criolo, que marcam o dinamismo do rap no Brasil. Destas análises, concluímos ser a canção uma boa fonte para o ensino de história e também uma rica e complexa linguagem. Como foi possível indicar no caso das canções de raps escolhidas e analisadas, tanto em sua musicalidade como em suas narrativas, distinguimos elementos associados aos processos de resistência e de empoderamento, o que atesta a importância de se considerar tanto a letra quanto a música no uso de canções no ensino. Além disso, indicamos como o rap pode retratar, numa perspectiva não essencialista, aspectos das identidades afro-brasileiras a serem explorados no ensino de história e, deste modo, estimular nos estudantes processos de construção identitária.
Palavras-chave
Profhistória, Ensino de História, Relações Étnico-raciais, Linguagens, Canção, Rap e Identidades afro-brasileiras.
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
LUCIANA DOS SANTOS MENEZES CIDADANIA E PARTICIPAÇÃO POR MEIO DAS HORTAS ESCOLARES: A ALIMENTAÇÃO COMO TEMÁTICA PARA O ENSINO DE HISTÓRIA NA EJA DE SÃO JOSÉ/SC 2019 ALINE DIAS DA SILVEIRA UFSC
Resumo
O presente trabalho é o resultado de uma pesquisa-ação, desenvolvida com a EJA noturna em São José, durante o ano letivo de 2017. O objetivo geral é promover um debate acerca das possibilidades do ensino de história por meio da experiência didática da horta escolar tendo como tema central: a alimentação e suas relações. O alimento e o ato de alimentar-se é histórico e identitário, mas hoje está envolvido em uma série de relações comprometidas com a globalização e suas relações de poder, construídas historicamente. Em contrapartida, insurgem também movimentos sociais de resistências, antiglobalização e de revalorização dos saberes e práticas ancestrais, caracterizando o “alimentar-se”, em um ato político. Para o ensino de história urge problematizar essas relações no âmbito da Educação que se pretenda democrática e participativa na construção da cidadania e da consciência crítica dos educandos. Para fins metodológicos, esta temática axiológica, é dividida em quatro eixos: Relações de Trabalho e Propriedade; Produção de Alimentos e Meio Ambiente; Indústrias e Consumo e; Patrimônio Histórico. Temas e conceitos que se desdobram destes eixos são abordados com fontes diversas nas aulas e também com a prática e a reflexão sobre as atividades da horta. Parte-se da realidade do educando e das questões que emanam da horta, para estimular pesquisas escolares, diálogos e práticas que contribuam para a construção do seu conhecimento de forma mais aprofundada, sua instrumentalização enquanto aluno pesquisador, e sua conscientização enquanto ser social, histórico e cultural, partícipe da formação de sua cidadania. A experiência dialoga, em sua temática, com obras de autores pós École des Annales, e com pesquisas sobre ensino de história. Baseia-se principalmente na concepção de Educação de Paulo Freire no que tange ao ensino problematizador, reflexivo e emancipador, para a formação de uma conscientização crítica. A ação propositiva culminou em um site para acesso dos professores de história que queiram trilhar novos caminhos que articulem horta, ensino de história e alimentação.
Palavras-chave
Profhistória, Ensino de História; Educação de Jovens e Adultos; Cidadania e Identidade Social; Hortas Escolares; Alimentação.
Link
Dissertação