• Quem é Quem - Profhistória
  • Facebook
  • Youtube

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 408 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
LORRAINE JANIS VIEIRA DOS SANTOS NAZÁRIO A LEI E OS LIVROS: TRANSFORMAÇÕES NA PRODUÇÃO DIDÁTICA DE HISTÓRIA APÓS A LEI 10.639/03 2016 HELENICE ROCHA UERJ
Resumo
Resultado da luta histórica do movimento social negro, a Lei 10.639/03 promoveu a inclusão da temática africana e afro-brasileira no ensino de História e, por conseguinte, na narrativa didática. Nesse sentido, a presente dissertação tem como objetivo compreender as transformações ocorridas no currículo e, especialmente, nos livros didáticos de História a partir da incorporação da lei no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) em 2011. No caso do conhecimento histórico escolar, a indução provocada pela lei e pelas Diretrizes Curriculares (2004), estabelece que se prova uma imagem positiva do negro na narrativa histórica, ressaltando o protagonismo na construção da nação em seus aspectos políticos, sociais, econômicos e culturais. Tendo como pressuposto o esforço das editoras em adequar as obras à obrigatoriedade da legislação, procuramos fazer uma análise comparativa de duas coleções aprovadas no PNLD de 2011 e 2014, investigando a forma como é realizada a representação do negro nesses livros.
Palavras-chave
Profhistoria;Ensino de História;Lei 10.639.;Programa Nacional do Livro Didático. Ensino de História
Link
dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
LEANDRO ROSETTI DE ALMEIDA MUSEU DA LEMBRANÇA: HISTÓRIA ENSINADA, NARRATIVIDADE E MEMÓRIA 2016 SÔNIA MARIA DE ALMEIDA IGNATIUK WANDERLEY UERJ
Resumo
Esta pesquisa pretende subsidiar teórica e metodologicamente a experiência de utilizar uma plataforma digital para reunir narrativas de atores sociais de uma instituição pública de ensino e possibilitar, através desses relatos, experiências pedagógicas voltadas para o ensino de história. O objetivo geral deste estudo é apresentar uma investigação sobre as narrativas históricas produzidas por estudantes ao entrarem em contato com o conhecimento apresentado pela história que se ensina na escola, identificando nessas narrativas as marcas do tempo presente, o diálogo que este estabelece com as demais temporalidades e a consciência histórica dos sujeitos imersos na tempestade tecnológica que caracteriza a contemporaneidade. Para tanto, considerar-se-á que as aulas de história são, potencialmente – mas não exclusivamente –, espaços privilegiados para enveredarmos na investigação da aprendizagem sobre o tempo. Um dos aspectos que caracteriza aquelas aulas, a partir da peculiaridade supracitada, é o fato de que nelas pululam enredos e pensamentos, sonhos e esperanças, relatos e experiências, através das narrativas dos alunos e das alunas. Ao contar o que sabem, e mesmo o que não sabem, sobre as experiências no tempo, estudantes produzem narrativas que desenham, como uma impressão digital, marcas que lhes são próprias, originais, e que forjam – através da palavra – a identidade desses sujeitos.
Palavras-chave
Profhistoria;Ensino de História;Narrativa histórica;Consciência histórica;Memória
Link
dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
GERSON EDUARDO DA COSTA A CIDADE E O ENSINO DE HISTÓRIA: PATRIMÔNIO, MUSEUS E HISTÓRIA LOCAL 2016 LUÍS REZNIK UERJ
Resumo
Esta dissertação apresenta como tema o uso do patrimônio histórico da cidade do Rio de Janeiro, seus museus e lugares de memória, como estratégia potente para o ensino de história. As reflexões sobre esta estratégia incorporam a definição dos objetivos do ensino de história na Educação Básica, que devem ir além do repasse do conhecimento produzido pela historiografia para construir conhecimentos significativos capazes de servirem de referencia e orientação no presente. Neste sentido, esta pesquisa aborda os desafios de ensinar história na contemporaneidade buscando compreender as características do tempo presente e as relações que se estabelecem no processo de aprendizagem, onde o contato direto do aluno com os vestígios do passado é entendido como capaz de envolvê-los afetivamente, e através deste contato com a história materializada construir a compreensão de sua própria historicidade. Como parte desta dissertação estão sugestões de atividades envolvendo o uso da educação patrimonial para o ensino de história.
Palavras-chave
Profhistoria;Ensino de História;Patrimônio Histórico;Cidade do Rio de Janeiro;Educação Patrimonial;Educação em Museu
Link
dissertação