• Quem é Quem - Profhistória
  • Facebook
  • Youtube

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 408 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
TERESA CRISTINA DA SILVA O ENSINO DE HISTÓRIA E REFORMA CURRICULAR NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO NO CONTEXTO DA TRANSIÇÃO DEMOCRÁTICA (1983-1991): ENTRE RUPTURAS E MARCAS DE CONTINUIDADE 2016 JUÇARA DA SILVA BARBOSA DE MELLO PUC-RIO
Resumo
O trabalho tem o objetivo de resgatar a experiência da reforma curricular elaborada pela Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro entre os anos de 1983 a 1991. Essa reforma reestruturou o ensino da História como disciplina escolar, influenciado pelas inovações no campo da Nova História, incorporando novas abordagens já presentes na prática cotidiana da sala de aula. A conjuntura política de redemocratização contribuiu para esta mudança, na medida em que, o intenso debate presente entre os profissionais de educação e as transformações na estrutura governamental, deram origem a uma nova conformação das políticas públicas de educação
Palavras-chave
Ensino de História no período da redemocratização; reforma curricular no município do Rio de Janeiro; memória; política de educação.
Link
dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
ARTUR DUARTE PEIXOTO JOGAR COM A HISTÓRIA: CONCEPÇÕES DE TEMPO E HISTÓRIA EM DOIS JOGOS DIGITAIS BASEADO NA TEMÁTICA DA REVOLUÇÃO FRANCESA 2016 TEMISTOCLES AMÉRICO CORRÊA CEZAR UFRGS
Resumo
O presente trabalho versa sobre a escrita da História em dois jogos digitais baseados na temática da Revolução Francesa. Os artefatos analisados foram Tríade: liberdade, igualdade e fraternidade e Assassin’s Creed Unity. O primeiro, produzido pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no contexto de uma chamada pública para financiamento governamental de jogos digitais com destinações educacionais. O segundo, desenvolvido por um dos maiores estúdios criadores de jogos digitais do mundo, a Ubisoft. O foco da pesquisa se concentrou na análise das concepções de tempo e de História presentes nos dois produtos, de modo que isso possa contribuir com professores que pretendam utilizá-los como recursos didático-pedagógicos no ensino de História. Para realizar a pesquisa foi necessário jogá-los, sob um olhar atento para as imagens, a paisagem sonora e a narrativa interativa, característica desse tipo de artefato digital. Os resultados da investigação sugerem que existem semelhanças nas concepções de História nos dois jogos, pois ambos apresentam certo apego a um tipo de História dos grandes homens e dos grandes acontecimentos. Mas positivamente, o jogo educacional possui uma personagem feminina como protagonista da narrativa, ao contrário do comercial, em que é essencialmente masculino. Por outro lado, o jogo produzido pelo grande estúdio, possui uma complexa concepção temporal, apresentando ao jogador múltiplas temporalidades simultâneas, mas o jogo educacional, tem predominantemente uma concepção linear de tempo histórico. É fundamental, portanto, em caso de utilização como recurso didático-pedagógico no ensino de História, a intervenção do professor para sanar os limites desses artefatos, de maneira que os estudantes construam conhecimento histórico.
Palavras-chave
ProfHistória;Ensino de História;Jogos digitais com temáticas históricas;Concepções de tempo;Concepções de história;Temporalidades simultâneas
Link
dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
SHEROL DOS SANTOS HISTÓRIA DA ÁFRICA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA NO CURRÍCULO DE HISTÓRIA: PROPOSTAS DE TRABALHO 2016 NATALIA PIETRA MÉNDEZ UFRGS
Resumo
A construção de uma estrutura metodológica e conceitual que inclua a história da África e a cultura afro-brasileira nos currículos de História nos Anos Finais do Ensino Fundamental busca atender uma demanda dos professores da área de História nascida a partir da Lei 11.645/2008. Esta legislação, em vigor desde o ano de 2008, altera a Lei 9.394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB) para incluir no currículo a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena. Esta alteração, indicada no parágrafo 1º da referida lei atinge claramente os currículos da disciplina de História, e social e internamente espera-se que os professores de história dominem a priori os conhecimentos necessários a temática, forçando muitas vezes a produção de programações e materiais a serem vinculados dentro da escola de forma pouco ou nada refletida. É neste ponto que acredito que meu trabalho pode ser inserido e encontra justificativa para sua execução: instrumentalizar diretamente os professores da área de História para o trabalho com as temáticas relacionadas à História da África, cultura afro-brasileira e seus desdobramentos nas salas de aula do ensino fundamental. A intenção principal desse trabalho é fornecer um caminho, sem grandes fórmulas mágicas ou salvadoras; fornecer subsídios mais sólidos e específicos para o saber e fazer docente nas áreas de História no ensino básico que possa contemplar uma educação anti-racista e inclusiva.
Palavras-chave
ProfHistória;Ensino de História;História da África;Lei nº 10.639
Link
dissertação