• Quem é Quem - Profhistória
  • Facebook
  • Youtube

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 408 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
MARCO JOSÉ DOS SANTOS OS GUATÓ SEGUNDO HERCULE FLORENCE: HISTORIOGRAFIA E ENSINO DE HISTÓRIA INDÍGENA 2020 MARLI AUXILIADORA DE ALMEIDA UNEMAT
Resumo
A aprovação da lei 11.645/2008 tornou obrigatório o ensino de história e cultura indígena no currículo da educação básica em todo país, colocando aos professores de história e gestores da educação o desafio de incorporar no processo educativo a diversidade étnica e cultural dos grupos indígenas. Entre os grupos excluídos da narrativa histórica ensinada nas escolas do estado de Mato Grosso, estão os Guató, um dos últimos povos de tradição canoeira do continente sul-americano. O objetivo desta pesquisa foi analisar como as representações do povo indígena Guató na obra Viagem Fluvial do Tietê ao Amazonas: 1825 a 1829, de autoria do artista e inventor francês Hercule Florence (1804-1879), podem constituir-se em fonte histórica e metodológica para o ensino de história indígena na educação básica. O artista registrou os Guató em textos e imagens na condição de segundo-desenhista da expedição Langsdorff, que percorreu a província de Mato Grosso entre os anos de 1826 e 1827. O presente estudo visa contribuir com o processo de implementação da lei 11.645/2008 a partir da produção de um livro paradidático destinado aos professores de história sobre o ensino de história indígena Guató na educação básica. A pesquisa adotou a perspectiva historiográfica denominada de História Cultural ou Nova História Cultural através do campo da História Indígena ou Nova História Indígena e seu ensino, que tem se caracterizado por recuperar o protagonismo dos povos indígenas na narrativa histórica nacional. Neste estudo concluímos que Florence registrou os povos indígenas de forma dicotômica e maniqueísta e representou o povo Guató a partir da perspectiva do “bom selvagem”. A sua obra apresenta informações importantes sobre o modo de vida dos Guató na primeira metade do século XIX, porém apresenta uma narrativa repleta de representações sociais que registraram o povo a partir de uma perspectiva marcada pela idealização e exotismo.
Palavras-chave
ProfHistória; Ensino de História Indígena; Guató
Link
DISSERTAÇÃO
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
WALLACE RODRIGO LOPES DA SILVA O TEATRO DE RUA EM JANDUÍS/RN: CONSTITUINDO A IDENTIDADE DO LUGAR E MOTIVANDO UMA ABORDAGEM PRÁTICA DE ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL 2020 MAGNO FRANCISCO DE JESUS SANTOS UFRN
Resumo
: Esta pesquisa de dissertação tem como objeto de análise a prática do teatro de rua desenvolvida na cidade de Janduís/RN durante as décadas de 1980 e 1990, e sua influência para a construção de uma identidade coletiva da população local elaborada a partir de memórias individuais e coletivas. A cidade viveu um período de grandes dificuldades e graves consequências para a população do lugar no período citado anteriormente, devido a uma conjuntura política e social muito difícil, marcada por conflitos entre os governos local e estadual e por uma forte estiada. Foi nesse período que surgiu a prática teatral na cidade, agregando junto à população mais carente da cidade um discurso artístico com sensibilidade crítica para a mudança desse quadro de dificuldades vivido pelos munícipes. É sabido que se construiu uma identidade local junto à prática teatral que se perpetuou por vários anos, inclusive se ergue na cidade vários elementos que fazem referência a esse período da história local. Mas a partir da análise crítica de elementos didáticos do ensino de história nas escolas públicas da cidade, constata-se a ausência de uma abordagem sobre a história local, gerando desinteresse pela disciplia de História por parte dos estudantes do lugar. A presente pesquisa busca ainda compreender a construção e existência dos diferentes discursos históricos que são propagados ao longo dos anos na educação escolar, enfatizando a ausência dessa discussão da história local no ensino de História das escolas públicas da cidade e suas principais consequências. Apresentamos, na oportunidade, uma proposta de construção de uma exposição com a narrativa da história do teatro de rua em Janduís que possa servir como material didático para uma abordagem prática de ensino de história local. • Palavras-chave (devem ser idênticas às do EDUCAPES): Profhistória; História local. Ensino de História. Teatro de rua. Memória. Identidade cultural.
Palavras-chave
• Palavras-chave (Profhistória; História local. Ensino de História. Teatro de rua. Memória. Identidade cultural.
Link
DISSERTAÇÃO
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
ANDRÉ LUIZ DE PAULA CHAVES LIMA DE TEMPLO A FÓRUM: MUSEU DO CEARÁ, EDUCAÇÃO PATRIMONIAL & ENSINO DE HISTÓRIA. 2020 MAGNO FRANCISCO DE JESUS SANTOS UFRN
Resumo
Instituição: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE • Resumo : O presente trabalho possui como objetivo analisar estes potenciais educativos, propor e construir propostas de ensino de história no Museu do Ceará (MC), partindo tanto de alguns objetos, quanto dos seus módulos expositivos. Os museus modernos ultrapassaram a concepção tradicional de um conservatório material, lugar estéril, torre de marfim dos conhecimentos do passado. Não se concebe mais a ideia de um museu como um lugar mágico, que provoca o encantamento diante dos objetos e das coleções. Como espaços privilegiados de conservação do patrimônio material de um povo, os museus possuem a capacidade de coletar, ensinar e inovar, não sendo locais estanques, de contemplação da história através da cristalização do pretérito contida nos objetos, mas lugares de equilíbrio e desequilíbrio, de certezas e dúvidas, de diálogo e observação, sendo vivos e reinventados através de suas narrativas. O Museu do Ceará, hoje, é um importante espaço educativo, pois, além do ensino de História através de uma didática própria, a metodologia dos "objetos geradores" promove a educação do olhar através da leitura de objetos, imagens, sons, bem como através da realização de seminários, cursos de formação, divulgando o conhecimento através da publicização de obras científicas. A escrita da história e o poder evocativo da memória são prolongados nos museus ao olharmos para os objetos, observarmos as legendas, ouvirmos a narrativa dos monitores, ressignificarmos a compreensão daquilo que está sendo mostrado através de nossas experiências, interesses, ao fazermos anotações – o tempo pretérito se dilata através das questões do agora. Para a produção do presente trabalho exploramos diversos tipos de fontes históricas: jornais, legislações, produções acadêmicas, literatura de referência, bem como documentos produzidos pelo Museu do Ceará (relatórios adminstrativos, relatórios do núcleo educativo). Fizemos ainda uso de relatórios produzidos por alunos da educação básica da EEM Branca Carneiro de Mendonça, a partir de aulas de campo no espaço do MC, para a produção de roteiros de aulas no Museu do Ceará, utilizando a metodologia da educação patrimonial. Existe uma relação indissociável e particular entre os elos de memória, experiência e lugar em uma visita aos museus, que são úteis no processo de aquisição de conhecimentos com base em uma linguagem e comunicação próprias – a criticidade, fundamento da cidadania e do ensino de História, é trabalhada na percepção da construção das rememorações, nos questionamentos sobre o que se fala, por que se fala, como se fala, quem fala, e quais os propósitos das falas.
Palavras-chave
Profhistória; Museu do Ceará. Educação Patrimonial. Ensino de História.
Link
DISSERTAÇÃO