• facebook

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 220 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
DILERMANDO PEREIRA TORRES NETO CIDADE, HISTÓRIA E MEMÓRIA: EDUCAÇÃO PATRIMONIAL EM SÃO BENTO DO UNA-PE 2018 RICARDO PINTO DE MEDEIROS UFPE
Resumo
O presente trabalho, Cidade, História e Memória: Educação Patrimonial em São Bento do Una – PE, busca analisar a importância de perceber a relação que há entre o Ensino de História, História Local, Cidade e Patrimônio a partir da observação, registro, pesquisa e apropriação das evidências presentes no espaço urbano. O presente se conecta com o passado a partir dos vários vestígios existentes, por exemplo, em uma cidade. Como podemos conhecer, a partir das transformações do espaço urbano e seu entorno, a história de nossa cidade, bem como, o que se aprende e se constrói? Para tentar responder a esta e outras questões, propomos organizar um projeto didático, intitulado Memórias da Cidade, onde buscamos trabalhar a relação que há entre história, cidade e educação no entendimento e construção da identidade através da valorização da memória, utilizando-se de fotografias antigas da cidade. O projeto em tela foi desenvolvido com os alunos do 1º ano do Ensino Médio da Escola Técnica Governador Eduardo Campos da cidade de São Bento do Una-PE. Como “produto” deste trabalho, estamos propondo como subsídio ao trabalho docente, uma cartilha discutindo o itinerário seguido para elaborar o projeto desenvolvido neste trabalho, bem como apresentando alguns conceitos utilizados, pistas e referências de como trabalhar com projetos didáticos, bem como propostas de atividades avaliativas.
Palavras-chave
ProfHistoria, Ensino de História, História Local. Cidade. Patrimônio. Projeto Didático
Link
Dissertaçao
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
DANIELA MARTINS DE MENEZES MORAES ENSINAR E APRENDER HISTÓRIA NAS REDES SOCIAIS ONLINE: POSSIBILIDADES E DESAFIOS PARA O ESPAÇO ESCOLAR 2018 JULIANA ALVES DE ANDRADE UFPE
Resumo
O presente texto intitulado “Ensinar e Aprender História nas Redes Sociais Online: Possibilidades e desafios para o espaço escolar” traz como problemática a grande influência das redes sociais online no processo de ensino-aprendizagem da História. Nosso objetivo central é discutir as potencialidades pedagógicas que as redes possuem na aprendizagem da História, ampliando a perspectiva para além de simples instrumento didático. Desta forma, buscamos conceituar a noção de Aprendizagem Histórica Digital fundamentando-a numa tríplice base conceitual: a Cibercultura (contexto), os homo zappiens e infoexcluídos (sujeitos) e as demandas de aprendizagem histórica contemporâneas, partindo de uma análise teórica dos escritos de LEVY (2010) e CASTELLS (2003) sobre a Era Digital, de VEEN (2009), SIBILIA (2012) e SILVA (2009) sobre o perfil do estudantes hodiernos e LEE (2003) sobre a Educação Histórica. Feito isso, realizamos uma observação do Instagram, buscando compreender dinâmica, almejando assim fazer uma apreciação dos usos pedagógicos possíveis e problematizar os seus perfis de usuários mais acessados que são voltados para a temática histórica. Os resultados nos mostraram que grande parte desses perfis não se propõe a fazer uma narrativa histórica com fins pedagógicos, mas exemplificar fatos e contar anedotas, sem uma reflexão profunda das temáticas expostas. Uma pesquisa de caráter quantitativo também foi realizada com nossos estudantes do ensino médio, a partir da aplicação de um questionário, que associada aos dados obtidos pelo Cetic.br nos auxiliaram a verificar seus hábitos e preferências no uso das tecnologias digitais e no acesso à Internet e as implicações disso na aprendizagem histórica. Partindo desse cenário intentamos propor a criação de um material, um guia prático voltado para professores para auxiliá-los no uso das redes sociais digitais nas aulas de História, facilitando a aplicação do conceito aqui proposto de Aprendizagem Histórica Digital. A parte propositiva desta pesquisa é caracterizada dessa forma pela concepção, construção e utilização do material por nós sugerido no intuito prático de facilitar o exercício da docência no processo de ensino-aprendizagem da História apoiado nas redes sociais online.
Palavras-chave
ProfHistoria, Ensino de História,Aprendizagem Histórica. História Digital. Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação. Redes Sociais Online. Era Digital.
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
BRUNO BARROS DA SILVA DA AUTOBIOGRAFIA AO JOGO: O ENSINO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS DE MAHOMMAH GARDO BAQUAQUA 2018 LUCAS VICTOR SILVA UFPE
Resumo
A presente pesquisa intitulada “Da autobiografia ao jogo: o ensino das relações étnico-raciais a partir das experiências de Mahommah Gardo Baquaqua” tem por objetivo propor o ensino das relações étnico-raciais pelo viés da construção e utilização de jogos de tabuleiro com fins didáticos a partir das experiências de vida do sujeito biografado. A materialização dessa ideia foi motivada pela frequente reprodução de conceitos amparados em noções de senso comum ligados tanto à História da África quanto do ser negro pelos estudantes do Ensino Médio da Escola Técnica Estadual Alcides do Nascimento Lins no município de Camaragibe em Pernambuco, a partir da própria experiência docente nessa modalidade de ensino. Por suposto, essa situação, geralmente, acaba por perpetuar estereótipos racistas e preconceituosos que quase sempre são associados à cor da pele. Este que, por tanto tempo, foi invisibilizado perante a História mediante o processo de escravização atlântica e sua consequente subalternização entre os séculos XV e XIX. Para tanto, o arcabouço teórico que norteou a construção desse trabalho buscou subsídios nas ideias de diversos pesquisadores, sendo eles ligados tanto à questão do Ensino de História e suas nuances como foram os de Albuquerque Júnior (2012), Araújo (2013), Caimi (2015), Cerri (2011), Fernandes (2012), Freire (1987, 2004), Molina e Ferreira (2016), Rocha e Monteiro (2012), Rocha (2003), Rüsen (2001) e Zabala (1998); do ensino das relações étnico-raciais e seus respectivos desdobramentos a exemplo de Abreu e Mattos (2008), Araújo (2013), Azevedo (2011), Candau (2008), Gomes (2005), Silva, P. (2007), Silva, T. (2010, 2014); da biografia de Mahommah Gardo Baquaqua a exemplo de Baquaqua (1997, 2017), Lara (1989), Lovejoy (2002) e da própria conceituação, construção e utilização de jogos de tabuleiro em sala de aula, tais como os trabalhos de Andrade (2007), Brougère (1998), Ferminiano (2005), Fortuna (2000), Giacomoni e Pereira (2013), Huizinga (2014) e Pereira e Torelly (2015). Não obstante, esse estudo possibilitou ainda uma abertura significativa a novas possibilidades de ensino e aprendizagem e, consequentemente, de como utilizar o jogo como instrumento didático em sala de aula de forma lúdica e prazerosa sem que suas potencialidades sejam esgotadas. Por fim, ele possibilitou ainda e de forma bastante concisa, a viabilidade de ressignificação acerca de preconceitos e estereótipos negativados sobre diversos assuntos considerados áridos ao ensino dessa disciplina além da própria construção do jogo de tabuleiro “Baquaqua: uma viagem pelo Atlântico”.
Palavras-chave
ProfHistoria, Ensino de História,Jogos de tabuleiro. Baquaqua. Educação das Relações Étnico-Raciais. História da escravidão. História da África.
Link
Dissertaçao