• Quem é Quem - Profhistória
  • Facebook
  • Youtube

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 408 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
MARCELO RIBEIRO ANAISSE FONTES FOTOGRÁFICAS DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO ENSINO DE HISTÓRIA: UMA PROPOSTA DE ESTUDO PARA ESTUDANTES E PROFESSORES 2020 CONCEIÇÃO MARIA ROCHA DE ALMEIDA UFPA
Resumo
Este trabalho pretende refletir, teórica e metodologicamente, acerca do uso da fotografia no ensino de História, considerando os fundamentos da literacia histórica, a fotografia como fonte histórica e a produção de um livro paradidático eletrônico (e-book) como possibilidade de ferramenta pedagógica para estudantes do Ensino Médio e professores. O ponto de partida deste projeto foi a aplicação de uma pesquisa junto aos alunos das turmas de Ensino Médio da Escola Estadual Dr. Ulysses Guimarães, localizada no município de Belém, no estado do Pará. Os dados obtidos com a pesquisa, na qual os alunos responderam questões sobre suas temáticas de preferência e outras ligadas ao aprendizado em História, proporcionaram rico material, utilizado em análises e reflexões acerca do ensino de História. Na pesquisa, houve indicação de interesse sobre a temática Segunda Guerra Mundial. Considerando o interesse manifesto pelos estudantes consultados e o objetivo de aprofundar os estudos teóricos e metodológicos sobre fontes históricas iconográficas, optou-se por desenvolver estudo sobre a fotografia na Segunda Guerra Mundial, a fim de refletir sobre as possibilidades, limites e particularidades do documento fotográfico e suas potencialidades para o ensino e aprendizagem em História. Assim como os documentos escritos, as fotografias também são fontes significativas de informações e revelam muito mais que um “retrato” da realidade vivida. Para analisar a riqueza documental da fotografia foi importante desenvolver um estudo metodológico desse tipo de fonte e isso deve ser pautado em referenciais teóricos, tanto de autores que abordam a fotografia, como os do campo do ensino de História.
Palavras-chave
ProfHistoria; Ensino de História; Educação Básica; Fotografia; Segunda Guerra Mundial
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
MARCUS VINICIUS VALENTE BARARUÁ A FORMAÇÃO DOS DOCENTES DE HISTÓRIA E A LEI Nº 11.645/2008: MUDANÇAS DE PERSPECTIVAS NO TRATO DA TEMÁTICA INDÍGENA NO ENSINO DE HISTÓRIA (2008-2018) ANANINDEUA, PARÁ. 2020 MARIA ROSEANE CORREA PINTO LIMA UFPA
Resumo
O presente trabalho pretende compreender as transformações ocorridas na formação inicial de professores e professoras de história em relação à temática indígena após a promulgação da Lei nº 11.645/2008 até o ano de 2018. O objetivo geral da dissertação é analisar a mudança de perspectiva sobre o agente histórico indígena nos documentos oficiais das faculdades de História da Universidade Federal do Pará (os Campi Belém, Bragança e Tocantins/Cametá), através das disciplinas, no desenvolvimento do planejamento curricular, projetos de pesquisa e extensão. Os Projetos Pedagógicos de Curso (PPC’s) são as diretrizes da graduação de licenciatura em história, sendo uma fonte de percepção das mudanças ocorridas após a Lei nº 11.645/2008. Também como objetivo, analisar os relatos de experiência dos docentes formadores de professores e professoras de História da Educação Básica, possibilitando analisar as ações pedagógicas e acadêmicas realizadas após a promulgação da legislação, principalmente, para lecionar em sala de aula. As fontes documentais e orais foram analisadas através dos conceitos da decolonialidade e da interculturalidade crítica. Por meio das reflexões observou-se que as transformações em relação à temática indígena na formação de professores e professoras de História ocorreram de maneira particular a cada região dos campi da Universidade Federal do Pará. As maiores mudanças de perspectiva em relação à temática indígena nas graduações de licenciatura em história no Estado do Pará são perceptíveis no trabalho protagonizado pelos docentes que pesquisam, ensinam e promovem a História Indígena e do Indigenismo. Como desdobramento das reflexões nesta dissertação, foi desenvolvida uma cartilha que tem a intenção de apresentar o conceito da interculturalidade crítica e como essa linha de pensamento pode ser utilizada na formulação de sequências didáticas que valorizam a luta política, o conhecimento e a história dos povos indígenas brasileiros.
Palavras-chave
ProfHistoria; Ensino de História; Relações Étnico-Raciais; Currículo de História; Decolonialidade; Interculturalidade
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
RAYME TIAGO RODRIGUES COSTA DE DANDARA À FIRMINA: O ENSINO DE HISTÓRIA DO BRASIL A PARTIR DE MULHERES NEGRAS NO ENSINO MÉDIO INTEGRADO 2020 ELIANE CRISTINA SOARES CHARLET UFPA
Resumo
Uma única história tem sido contada sobre a população negra e sobre as mulheres negras no ensino de história do Brasil, uma história de invisibilidade e lugares subalternos, nos quais a população negra é desumanizada e as mulheres negras reduzidas a condição de mulatas, domésticas e mães pretas. Esta narrativa é resultado de um processo histórico consciente de desumanização formatado pelo ocidente na modernidade/colonialidade, para gerar domínio e consolidação de poder. Nesse sentido, esta dissertação busca ser uma resposta a esse contexto, objetivando construir uma narrativa no ensino de história do Brasil à luz da trajetória de cinco mulheres negras, Dandara, Chica da Silva, Mônica, Luiza Mahin e Maria Firmina dos Reis, mobilizando suas perspectivas para entender o contexto colonial (Séc. XVI-XIX), visibilizando personagens e contextos marginalizados, e apresentar a metodologia e as ideias na qual se fundamentam essa experiência, tendo o sistema web “Mulheres Negras no Ensino de História”, como produto das atividades realizadas. A pesquisa escolar ocorreu no Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Pará (IFPA) da cidade de Paragominas, concomitantemente às aulas de história para a turma de Informática do segundo ano do ensino médio, no ano de 2018. Para isso, foi necessário descolonizar as formas de ver, a interseccionalidade, o gênero, e o jogo de escalas da micro-história, que foram utilizados como ferramentas procedimentais, além dos conhecimentos discentes para perceber as mulheres negras do presente e do passado. A metodologia utilizada foi da aula-oficina, na qual os alunos, após serem ambientados sobre os contextos, foram divididos em grupos e tiveram acesso às fontes sobre cada personagem, apresentando em forma de seminário seu contexto e biografia, as quais foram utilizadas para produzir o sistema web. Compreender o passado colonial pelas lentes de mulheres negras materializou e aproximou a história do cotidiano dos educandos, muitos realizaram uma apropriação das personagens como elementos simbólicos para a positivação da negritude, passando a observar as mulheres negras ao seu derredor e as suas problemáticas, além de uma complexificação do ser mulher e da crítica sobre a feminilidade branca.
Palavras-chave
ProfHistoria; Ensino de História; Mulheres Negras; Trajetórias Negras; Ensino Médio Integrado
Link
Dissertação