• facebook

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 220 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
MARIA DE LOURDES CONCEIÇÃO DE SOUZA O PALÁCIO DA INSTRUÇÃO E O PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE CUIABÁ-MT: CIDADE, TERRITORIALIDADE E EDUCAÇÃO PATRIMONIAL 2018 CRISTIANE THAIS DO AMARAL CERZOSIMO GOMES UFMT
Resumo
A presente pesquisa trata de uma investigação histórica sobre o Palácio da Instrução, localizado no centro histórico da cidade de Cuiabá-MT, entre o período de 1914 a 2017, no processo de formação educacional e cultural da sociedade mato-grossense, destacando este espaço como fonte de pesquisa e educação patrimonial para o ensino médio, com ênfase no Ensino de História. Tem como objetivo analisar, a partir do Palácio da Instrução, a importância do patrimônio histórico e os lugares de memória da capital matogrossense, discutindo ações metodológicas, no âmbito do ensino de história, sobre o processo de conservação e restauração desse espaço histórico. Nesta proposta de investigação histórica foi realizada uma abordagem metodológica de análise interpretativa de fontes documentais acerca da implantação e funcionamento do Palácio da Instrução, através de análise de atas, registros escolares, jornais, fotos antigas e atuais. Como recurso para coleta de dados, optou-se pelo uso de questionário, como instrumento de pesquisa, com alunos do segundo ano do Ensino Médio, matriculados no ano letivo de 2017, de uma Escola Estadual de Cuiabá-MT, para verificar o interesse e o conhecimento dos mesmos acerca da história local, através do estudo dos lugares de memória da capital mato-grossense. Nesse sentido, esta pesquisa transpõe os desafios de ensinar história na contemporaneidade, buscando, também, compreender as características do tempo presente e as relações que se estabelecem na prática docente, através da educação patrimonial e da inserção da tecnologia. Sendo assim, neste estudo, no primeiro momento, investigo o Palácio da Instrução, sua história e memória, destacando a cidade, as territorialidades constituídas nesse espaço e a educação patrimonial no ensino de história. No segundo momento de análise, tendo como foco o centro histórico de Cuiabá, através da realização de um percurso patrimonial nesse espaço urbano, culminando com aula-oficina no Palácio da Instrução, relatando vivências e experiências dos alunos. Para finalizar, apresento um aplicativo para aparelhos móveis, como recurso tecnológico para o ensino de história, com dados e informações sobre o Palácio da Instrução, possibilitando a realização de uma visita virtual nesse espaço de cultura e memória de Cuiabá, a ser utilizado por professores, alunos e usuários em geral. Concluise que a prática de atividades de educação patrimonial, através da visitação aos lugares de memória e o uso da tecnologia, são estratégias de ensino capazes de promover vivências e experiências no contato com os vestígios de outro tempo histórico.
Palavras-chave
ProfHistoria ENSINO DE HISTÓRIA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL CULTURA TECNOLOGIA
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
SANDRA MARA VAN RYN A QUESTÃO INDÍGENA NO ENSINO DE HISTÓRIA ATRAVÉS DA PRODUÇÃO DO JORNAL 2018 THAIS LEÃO VIEIRA UFMT
Resumo
Nesta pesquisa realizou-se algumas análises sobre a forma como vem sendo trabalhada a questão indígena na educação e nos materiais didáticos. Buscou-se observar os impactos causados pela Lei Nº. 11.645/2008 que torna obrigatório o ensino da temática indígena na educação básica de todo o país, realizando ainda alguns apontamentos sobre a trajetória da colonização em Mato Grosso, que resultou em prejuízos de diferentes formas aos povos indígenas. A pesquisa desenvolveu-se por meio da investigação qualitativa, buscando-se compreender por meio dos principais referenciais teóricos quais os impactos do processo de ocupação/colonização em Mato Grosso sobre as sociedades indígenas deste estado. Deste modo, o trabalho buscou analisar as concepções dos estudantes sobre um tema de relevância social – as representações socioculturais indígenas – investigando como se desenvolveu o processo de apropriação das informações para reformulá-las. Essa investigação foi feita por meio de um questionário elaborado e aplicado em sala de aula, que serviu de base para a aplicação de uma proposta de intervenção, consistindo na confecção de um jornal pelos alunos através de pesquisa orientada nas aulas de história. O objetivo é contribuir – por meio de uma aproximação com a leitura das produções acadêmicas sobre a temática – com a ampliação da perspectiva dos alunos acerca da realidade social indígena. Sendo a escola um espaço privilegiado para muitos estudantes entrarem em contato com a diversidade cultural, a referida lei reforça o papel fundamental da educação e do ensino de história em promover transformações na perspectiva desses sujeitos acerca dos povos indígenas. Contudo, observa-se que, mesmo decorridos dez anos da aprovação da Lei N°. 11.645/2008, ainda persistem equívocos e preconceitos latentes nos manuais didáticos e a permanência de uma visão eurocêntrica no trato dessa temática, o que tem contribuído para a permanência de uma concepção estereotipada sobre os povos indígenas.
Palavras-chave
ProfHistoria ENSINO DE HISTÓRIA RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS COLONIZAÇÃO DE MATO GROSSO POVOS INDÍGENAS PRODUÇÃO DE JORNAL
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
SANDRA MARCIA GIARETTA O MANUAL DO PROFESSOR NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA: APROPRIAÇÕES E USOS 2018 OSVALDO RODRIGUES JUNIOR UFMT
Resumo
O Manual do Professor, que acompanha as coleções didáticas aprovadas pelo Programa Nacional do Livro Didático – PNLD apresenta além do conteúdo proposto para os (as) alunos (as), debates teórico-metodológicos, sobre a disciplina escolar e o seu ensino, sendo pensado enquanto um elemento subsidiário à prática docente. Diante disso, o trabalho teve como objetivo analisar os usos e apropriações que uma professora de História faz desse artefato cultural. Os objetivos específicos foram: a) compreender as relações entre os livros didáticos e os manuais didáticos e o ensino da História; b) contextualizar a investigação realizada; c) analisar os materiais empíricos da investigação. Teoricamente a pesquisa foi fundamentada em um conjunto de autores que discutem os livros e edições didáticas, as formas de produção e difusão dos impressos e a configuração do habitus professoral. Na primeira fase da pesquisa realizamos um estudo exploratório, que permitiu a construção de algumas hipóteses. Os materiais empíricos incluíram questionários, entrevistas semiestruturadas, observação de aulas, planejamento docente e manual do professor de História. Metodologicamente o trabalho foi sustentado na abordagem da pesquisa qualitativa a partir de elementos da groundedtheory. A análise dos documentos foi sustentada em alguns procedimentos da análise de conteúdo. Os resultados nos permitiram evidenciar o uso do manual do professor pela professora investigada compreendido a partir da apropriação identificada em sala de aula. Tal apropriação nos permitiu observar o caráter transformador da leitura, ainda o uso do manual do professor enquanto elemento constituidor do habitus professoral
Palavras-chave
ProfHistoria ENSINO DE HISTÓRIA COTIDIANO ESCOLAR SABERES HISTÓRICOS PRÁTICA DOCENTE LIVRO DIDÁTICO
Link
Dissertação