• Quem é Quem - Profhistória
  • Facebook
  • Youtube

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 408 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
ANDERSON JOSÉ ASSIS DA SILVA A ANÁLISE DE UM BAIRRO DENTRO E FORA DA SALA DE AULA: BANGU E SEUS ESPAÇOS COMO RECURSOS DE APRENDIZAGEM EM HISTÓRIA 2020 VIVIAN LUIZ FONSECA UERJ
Resumo
O presente trabalho busca, em meio a questões que envolvem desigualdades que caracterizam a cidade do Rio de Janeiro, refletir sobre possibilidades de utilização da história local de Bangu, um bairro da zona oeste suburbana da cidade, pela perspectiva da Educação Patrimonial. Procuramos refletir através da análise do bairro, suas marcas e referências, formulações de práticas pedagógicas que pudessem gerar representatividade e aprendizado no ensino de História. Com uma breve discussão sobre teoria dos currículos e direito à cidade para enfatizar a importância e necessidade de se pensar sobre a história da região suburbana da cidade do Rio de Janeiro, o projeto envolve também a busca por uma maior valorização desta região e de seus patrimônios, culminando com a apresentação de um roteiro do bairro a ser desenvolvido com a colaboração dos alunos de forma que a importância dos locais possa também ser trabalhada, com adaptações, para qualquer outra localidade escolar de outras localidades.
Palavras-chave
Ensino de História. Educação Patrimonial. História Local. Cotidiano Escolar. Educação Básica.
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
VALDEIR CONEGUNDES SALVADOR SOARES NA PONTA DA LÍNGUA E NA AULA DE HISTÓRIA: AS CULTURAS CENTRO-AFRICANAS NA FORMAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA FALADA NO BRASIL 2020 VERENA ALBERTI UERJ
Resumo
Nesta dissertação iremos apresentar uma interpretação pouco usual sobre as culturas africanas e afro-brasileira. Nossa pesquisa teve como objetivo central evidenciar, a partir da revisão bibliográfica de estudos linguísticos e históricos, que a ação das culturas centroocidentais do continente africano foi um fator preponderante para a formação da língua portuguesa falada no Brasil. Pretendemos demonstrar de forma inequívoca o peso das culturas bantu para nossa formação cultural e histórica, afastando, desta forma, as visões reducionistas que acabam sendo associadas às culturas africanas e afro-brasileiras. Nosso intuito é propor uma maior aproximação entre os campos da História e da Linguística. Além do debate acadêmico entre estes diferentes campos de conhecimento estamos propondo uma intervenção prática para ser utilizada no contexto da sala de aula da educação básica, durante as aulas de História. Trata-se de duas sequências didáticas construídas a partir das questões teóricas levantadas ao longo da pesquisa, onde buscamos construir uma visão positivada sobre as culturas oriundas da África, sobretudo, as centro-ocidentais.
Palavras-chave
Ensino de História. Cultura Afro-brasileira. Língua Portuguesa. Culturas centro-africanas.
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
CÍNTIA BEÑÁK DE ABREU TAMBÉM COM MEMES SE ENSINA E SE APRENDE HISTÓRIA: UMA PROPOSTA DIDÁTICO-HISTÓRICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL II 2020 SONIA MARIA DE ALMEIDA IGNATIUK WANDERLEY UERJ
Resumo
Resumo: A História e seu ensino vêm atravessando nas últimas décadas um processo de mudanças que, de certa forma, relacionam-se à afirmação de novas formas de se ler e comunicar histórias e memórias do homem no tempo. Essas novas formas têm possibilitado um acesso ampliado de narrativas de sentido histórico em diferentes suportes, especialmente os digitais, que, produzidas em ambientes públicos, rompem os muros escolares e constituem sentidos na sala de aula. Esta pesquisa busca refletir aspectos das exigências que essas mudanças provocam no ensino escolar de História e se propõe a discutir o uso didático do meme, entendido como uma narrativa digital que circula pelo ciberespaço e com alto potencial de produzir narrativas históricas. O objetivo é apresentar reflexões que surgiram de experiências didáticas com a apropriação desse artefato cultural midiático em turmas do 6º e 8º anos do Ensino Fundamental II, de uma instituição privada do município de Nova Iguaçu, estado do Rio de Janeiro, visando promover uma aprendizagem histórica significativa. Na construção das experiências didáticas, a pesquisa fundamentou-se na Didática da História, em especial Rüsen e Cerri, em diálogo com outros pesquisadores do campo do Ensino de História no Brasil, como Caimi, Cainelli e Monteiro. A metodologia das aulas-oficina, a partir de Alves, Antunes e Barca, atendeu às perspectivas pretendidas pela pesquisa, pois possibilitou, apesar da condição excepcional de aulas remotas, a construção de espaços de trocas e diálogos com os alunos e a promoção da maximização da aprendizagem por meio da interligação entre teoria aplicada com a prática. Os resultados alcançados serviram de base para a elaboração de um Guia Didático on-line, artefato didático escolar, que objetiva orientar e motivar outros professores do Ensino Fundamental II a experimentarem os memes em suas aulas.
Palavras-chave
ProfHistoria. Ensino de História. Aprendizagem histórica. Memes da Internet.
Link
Dissertação