• facebook

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 259 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
LAILA CRISTINE RIBEIRO DA SILVA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM ARAGUAÍNA-TO: ESPAÇO REFLEXIVO E VIVÊNCIAS HISTÓRICAS 2020 VERA LÚCIA CAIXETA UFT
Resumo
Esta pesquisa foi desenvolvida junto aos colegas profissionais do ensino de História, atuantes na Educação de Jovens e Adultos da rede municipal de Araguaína-TO, tendo como base uma nova perspectiva da Formação Continuada promovida em parceria com a Secretaria Municipal de Educação. Teve, pois, como objetivo, o desenvolvimento de uma metodologia que valorizasse as identidades dos estudantes da EJA para que estas pudessem vir a ser consideradas no aprimoramento do trabalho com o currículo escolar. Apropriamo-nos dos pressupostos metodológicos da Pesquisa-Ação e, assim, buscamos o envolvimento de cinco professores regentes da disciplina de História, atuantes nas escolas do município. Estes, por sua vez, foram interlocutores na análise de suas próprias realidades. No que diz respeito às incursões teóricas, fundamentamo-nos em autores que se dedicaram ao aprofundamento de temáticas importantes, como por exemplo, a perspectiva da Formação Continuada trazida por Francisco Imbernón (2010); os estudos direcionadores sobre educação, de Paulo Freire (1987); as ideias acerca da Educação de Jovens e Adultos de Miguel Arroyo (2017), Moacir Gadotti (2011) e Alessandra Nicodemos (2017); as contribuições teóricas sobre o conceito de Memória e a sua utilização na formação da identidade de Michel Pollack (1992) e Alessandro Portelli (2016). Apoiamo-nos, em especial, em autores que se dedicaram ao ensino de História, como Jörn Rüsen (2010), Elza Nadai (1992), Maria Auxiliadora Schimt (2004); e, em Isabel Barca (2004), que ancorou a proposta didática com os pressupostos da Aula-oficina. Com o uso desse aporte teórico metodológico, analisamos os dados sobre a importância da utilização da Formação Continuada enquanto espaço para ampliação das reflexões acerca da Educação Histórica, a partir das próprias vivências dos estudantes da Educação de Jovens e Adultos. Na oportunidade, desenvolvemos, também, a organização do produto final da pesquisa que consistiu na elaboração de Eixos Temáticos, articulados com os relatos autobiográficos dos estudantes, para serem trabalhados em consonância com o referencial curricular local. Podemos inferir que a oportunidade de romper com o processo formal do currículo tradicional é fator de destaque do ensino por Eixos. Isso permite que os conteúdos sejam apresentados de forma mais rica e, dessa forma, o professor consiga alcançar com mais propriedade os estudantes desta modalidade de ensino, promovendo uma relação na qual os estudantes possam reconhecer a História como parte de suas vivências e perceber a sua condição enquanto sujeito histórico.
Palavras-chave
ProfHistoria, Ensino de História, Formação Continuada, Educação de Jovens e Adultos, EJA.
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
ADEMIR FERREIRA DA SILVA TRANSCIDADANIA NO ARMÁRIO: DA INVISIBILIDADE DOS SUJEITOS HISTÓRICOS À CONSTRUÇÃO DE DIREITOS DE ALUNOS E ALUNAS TRANS EM ESCOLAS PÚBLICAS 2020 FRANK ANTONIO MEZZOMO UNESPAR
Resumo
A pesquisa buscou analisar as narrativas dos estudantes da Educação Básica acerca da religião e sua presença e visibilidade pública em Araruna/PR, discutindo sobre a construção histórica dos locais e práticas religiosas. Essa perspectiva é problematizada a partir das representações dos educandos, tendo em vista discussões do ensino de História que apontam para sua valorização enquanto sujeitos do processo educativo, no qual o tema da religião apresenta relevante contribuição pela influência que exerce na vida em sociedade como importante componente histórico-cultural. O trabalho consistiu no planejamento e aplicação de uma sequência didática com a turma do 2o ano do Colégio Estadual Princesa Isabel - Ensino Médio, a partir da qual os discentes representaram os elementos religiosos da paisagem urbana da região central da cidade de Araruna/PR, além de narrar sua relação com a história local. Organizados em pequenos grupos, eles foram orientados a coletar dados das instituições religiosas, socializar o resultado em sala de aula e produzirem narrativas históricas dos templos pesquisados, enfatizando sua relação com a história local. Também foram realizadas visitas guiadas com a turma e reaplicada a atividade inicial. Por meio das atividades eles demostraram a edificação de posicionamento crítico sobre as implicações políticas da ocupação do território e sua relação com o dinamismo das manifestações religiosas ao longo do tempo histórico. Igualmente, permitiram a compreensão acerca da visibilidade pública dos diversos templos religiosos, revelando histórias para além da imbricação do catolicismo com o Estado. Por fim, possibilitou problematizar a construção de estereótipos sobre as religiões de matriz africana, contribuindo com a promoção de uma cultura de respeito e tolerância na convivência com as diferentes crenças e práticas religiosas.
Palavras-chave
ProfHistória; Ensino de História; Paisagem cultural e espaço urbano; Memória e identidade; Religião; Representações e narrativas; História local.
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
GISELIA DOS SANTOS DE MELO GONÇALVES A CONDIÇÃO FEMININA E O USO DE HISTÓRIAS DE VIDA NA FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA 2020 FEDERICO JOSÉ ALVEZ CAVANNA UNESPAR
Resumo
Essa pesquisa teve como objetivo a criação de uma Unidade Temática Investigativa com o uso de história de vida de mulheres, destinada a alunos e alunas do ensino fundamental. Está fundamentada nos preceitos teóricos e metodológicos da Educação Histórica. As pesquisas reveladoras de expressiva desigualdade de gênero, altas taxas de feminicídio, violência baseada em gênero e invisibilidade das mulheres na historiografia e nos manuais didáticos, serviram de mote para a categorização do tema do projeto aqui apresentado como “histórias difíceis”, sendo essa a forma com que o historiador alemão Bodo Von Borries, define as histórias dos povos colonizados ou vítimas de genocídio. São histórias que despertam sentimentos como culpa, revanchismo e que, muitas vezes, se prefere esquecer. Nesses casos, a história oculta dos perdedores, como histórias de vida de mulheres, é uma forma de se difundir as histórias e tradições dos dominados. No entanto, a abordagem dessas histórias deve visar uma reconciliação entre os antigos inimigos (vítimas e perpetradores) ou consigo mesmo (afastando-se de culpas). A partir dessas análises, refletimos acerca da “contribuição do ensino de História para o processo de reconciliação no âmbito das relações de gênero”. Referenciamos nossos estudos em Rüsen (2009, 2011, 2012,2015), Beauvoir (2016), Perrot (2005, 2018, 2019). Os resultados indicam a possibilidade de uma aprendizagem significativa e de contribuição no processo de reconciliação.
Palavras-chave
ProfHistória; Ensino de História; Aprendizagem Histórica; Cidadania e Identidade Social; História Difícil; Condição Feminina; Histórias de Vida
Link
Dissertação