• Quem é Quem - Profhistória
  • Facebook
  • Youtube

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 408 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
CIBELE DE CAMARGO LIMA ENSINO DE HISTÓRIA EM CURSINHOS POPULARES: UM ESTUDO SOBRE O CURRÍCULO DA REDE EMANCIPA SP. 2019 JOÃO DO PRADO FERRAZ DE CARVALHO UNIFESP
Resumo
Esta pesquisa investigou as práticas de construção curricular da disciplina História em cursinhos populares da Rede Emancipa, movimento de Educação Popular que se identifica com a pedagogia libertadora. Tivemos como preocupação entender como os conteúdos de História são desenvolvidos nas aulas dos cursinhos considerando a pressão por um ensino propedêutico preparatório para os exames de acesso à universidade, sem perder de vista a proposta de ensino emancipador. Para realizar esta análise utilizamos como referenciais teóricos Paulo Freire e Ivor Goodson, Circe Bittencourt entre outros autores e pesquisadores.
Palavras-chave
cursinho popular; educação popular; currículo; ensino de história; ProfHistória
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
DAVID LEANDRO CAVALCANTE A QUESTÃO DAS IDENTIDADES NO ENSINO DE HISTÓRIA: ANÁLISE DAS PROPOSTAS CURRICULARES NACIONAIS E DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE SÃO PAULO (1996-2016) 2019 ANDREA SLEMIAN UNIFESP
Resumo
Esta dissertação investigou a questão das identidades nas propostas curriculares de história do ensino fundamental, tendo como marco temporal inicial os anos 1990, quando entrou em vigor a nova legislação educacional brasileira e, a partir desse momento, iniciou-se o processo de reformas curriculares ainda em curso. A temática das identidades está presente no ensino de história, desde a gênese da disciplina escolar no século XIX. As discussões em torno às identidades procuram caracterizar os agentes da história, assim como a sua atuação na formação social brasileira. Identidades políticas, raciais e de gênero passaram a ser explicitadas nas análises historiográficas, influenciadas pelas lutas sociais por reconhecimento e de resistência. No ensino de história, em particular, a questão da identidade nacional sempre esteve presente. A pesquisa foi orientada pelos conceitos de identidade e de formas de identidade do sociólogo Manuel Castells. Analisaram-se as formas de identidade expressas nos documentos curriculares nacionais e da rede municipal de ensino. Também foram objeto de análise os trabalhos produzidos pelos alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Teófilo Benedito Ottoni, que apresentaram formas de identidade condizentes às formas propostas pela análise de Castells, como identidades de resistência e identidades de projeto. Por fim, de acordo com os objetivos do Programa (ProfHistória), apresenta-se uma proposta de ensino, como contribuição ao desenvolvimento da temática para o ensino de história no ensino fundamental
Palavras-chave
história; ensino de história, currículo, identidades; ProfHistória
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
GRAZIELLY ALVES PEREIRA RESISTÊNCIAS AFRO-BRASILEIRAS NO ENSINO DE HISTÓRIA: A SALA DE AULA E AS LETRAS DE RAP 2019 CLEBER SANTOS VIEIRA UNIFESP
Resumo
A pesquisa analisa a relação de letras de Rap e ensino de História. O propósito é o de investigar como as letras desse gênero podem ou devem ser consideradas meios e instrumentos pedagógicos para a sala de aula, contribuindo para uma ecologia dos saberes nos parâmetros de Boaventura de Souza Santos. Procura-se apresentar que, além da condição de ferramentas didáticas para a produção do conhecimento histórico em sala de aula, as letras de Rap constituem também em importantes fontes para a reflexão sobre o ensino de história, cultura escolar e cultura juvenil. Parte-se do pressuposto de que rappers são sujeitos históricos que intercambiam saberes com a juventude periférica e que, portanto, constroem leituras de fatos históricos a partir de pontos específicos: juventude negra e periférica, ressignificando seus lugares de fala e configurando singulares leituras sobre o passado. Para tanto, analisaremos quatro letras do grupo de Rap Face da Morte, originário de Hortolândia, interior de São Paulo. O grupo se formou em 1995, e desde então produziram diversos trabalhos de cunho crítico e reflexão social, típicos do universo HIP HOP, especialmente do Rap. As letras em questão pertencem ao álbum MPB (Manifesto Popular Brasileiro), lançado em 2001, e são nomeadas pelos meses do ano e fatos históricos que ocorreram nos mesmos. As letras analisadas foram aplicadas e reescritas pelos/as alunos/as do oitavo ano da EMEF Dirce Genésio dos Santos, localizada no Jardim Iguatemi, zona leste de São Paulo.
Palavras-chave
Rap; Saberes; Ensino; História; Juventude; ProfHistória
Link
Dissertação