• facebook

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 220 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
CLEYTON MACHADO PRÁTICAS TEATRAIS NO ENSINO DE HISTÓRIA: CONTRIBUIÇÕES DE AUGUSTO BOAL E PAULO FREIRE 2017 JANE BITTENCOURT UFSC
Resumo
Entender como se processam as relações de opressão na sociedade, através da prática educativa dialogal, como proposta por Paulo Freire, implica em estabelecer uma relação constante e dinâmica entre os sujeitos, no sentido de buscar a interação de diferentes conhecimentos possíveis de vários lugares e épocas. Acreditamos que práticas teatrais possam colaborar fundamentalmente com esse processo, por expandirem as possibilidades de ação didática. O Teatro do Oprimido proposto por Augusto Boal visa dar um sentido profundamente social para tais práticas, em que o sujeito tem a oportunidade de questionar a si mesmo e o mundo, tanto no presente quanto em relação ao passado. Quando direcionamos esses subsídios ao ensino de História, percebemos o quanto a habilidade de considerar a relação dos agentes históricos com os elementos do seu tempo pode proporcionar uma rica integração das propostas dos autores aqui discutidos, assim como oportunizar o diálogo com o conhecimento histórico no processo educacional. Buscamos, através deste estudo prático e investigativo, analisar as potencialidades de práticas teatrais associadas ao ensino de História. Particularmente utilizamos a ditadura civil-militar brasileira como base temática, e investigamos seu ensino tendo por base o conceito de empatia histórica. Para tanto, no primeiro capítulo, analisamos algumas contribuições de Augusto Boal e Paulo Freire que serviram de base para este estudo; no segundo capítulo, apresentamos o conceito de empatia histórica e discutimos suas possíveis ligações com as práticas teatrais; no capítulo seguinte são discutidos os resultados das práticas teatrais implementadas à luz das análises teóricas realizadas. Com este estudo, além de entender como se processa o pensamento histórico dos estudantes, partindo do tema proposto, buscou-se também oferecer mecanismos para o seu aperfeiçoamento.
Palavras-chave
Relações de opressão; Práticas teatrais; Empatia histórica
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
MATEUS PINHO BERNARDES À LUTA CAMARADAS! A GREVE GERAL DE 1917 – SÃO PAULO: ENSINO DE HISTÓRIA E ANÁLISES DE CONJUNTURA ATRAVÉS DE UM JOGO DE TABULEIRO MODERNO 2017 CARLOS EDUARDO DOS REIS UFSC
Resumo
Esta dissertação trata das possibilidades de se ensinar história por meio de um jogo de tabuleiro moderno sobre a “Greve Geral de 1917” de São Paulo. Com base em pesquisas acerca da relação entre jogos e ensino, desenvolveu-se um “jogo temático” sobre aquele período histórico, em um formato viável de reprodução e utilização em sala de aula. O jogo tem por propósito desenvolver o conceito de temporalidade junto aos estudantes, bem como possibilitar o reconhecimento de diferentes grupos e classes sociais que se inter-relacionam de distintas maneiras. A imersão naquele tempo histórico ocorre por uma mecânica que privilegia as categorias de análises de conjuntura, adotadas como forma de explicitar que as avaliações e escolhas dos estudantes-jogadores tem consequências no desenvolvimento da partida e, que tal qual, a história não é obra do acaso, mas resultado da ação de sujeitos históricos. Com uma estrutura cooperativa, o jogo estimula a sociabilidade entre os estudantes e desenvolve a empatia com relação a outros sujeitos históricos – no caso, os grevistas da Greve Geral de 1917 de São Paulo que, ao se converterem em personagens do jogo estimulam o exercício de “colocar-se no lugar do outro”. Através destes elementos pretende-se conferir inteligibilidade ao processo histórico e explicitar a validade em se estudar a história.
Palavras-chave
Ensino de História; Jogo de tabuleiro moderno (boardgame); Temporalidades; Análise de conjuntura; Greve Geral de 1917 – São Paulo.
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
RILDSON ALVES DOS SANTOS GRUNOW PELAS TRILHAS DO PLANALTO NORTE CATARINENSE: COLONIZAÇÃO EUROPÉIA EM BELA VISTA DO SUL, TERRA CONTESTADA. DIÁLOGOS ENTRE HISTÓRIA ORAL, MEMÓRIA E O ENSINO DE HISTÓRIA 2017 ELISON ANTONIO PAIM UFSC
Resumo
Esta dissertação tem por objetivo apresentar o trabalho desenvolvido junto aos estudantes dos 2º anos I e II do Ensino Médio da EEB Hercílio Buch em Bela Vista do Sul, Mafra-SC, dando enfoque específico às categorias memória e história local, explorando-as dentro de uma oralidade relacionada à imigração europeia na região, procurando contribuir para o aperfeiçoamento do ensino de história e para uma percepção crítica do processo histórico envolvendo aquela localidade, tendo como viés o traço das várias identidades ali convergentes, as quais estão sempre se remodelando conforme as tensões sócio-culturais também se alteram. Discutir o processo de constante remodelagem identitária, pelo viés da memória, pode ser uma alternativa a mais de abordagem dos temas relevantes para essa região cercada por simbologias das mais profundas para se refletir ressignificações. Assim, propõe-se uma operação que visa pensar criticamente a história da região. Nesse sentido, trata-se de um repensar a história e o patrimônio do lugar, por parte dos estudantes. Do mesmo modo, significa permitir aos mesmos o conhecimento sobre a região e seus vínculos identitários.
Palavras-chave
Profhistória; Ensino de História; Planalto Norte Catarinense; Colonização Europeia; Contestado; Memória e Identidades
Link
Dissertação