• Quem é Quem - Profhistória
  • Facebook
  • Youtube

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 408 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
LUCAS ARAÚJO RAMALHO JOGOS DIGITAIS COMO MATERIAL DIDÁTICO NO ENSINO DE HISTÓRIA: ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA. 2019 ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO UNIFESP
Resumo
Essa dissertação de mestrado tem como tema realizar uma reflexão sobre a utilização de jogos digitais como materiais didáticos para o ensino de história através da análise da produção acadêmica que trata desse assunto (artigos, dissertações, trabalhos de conclusão de curso, publicações em revistas, teses de doutorado, entre outros). O objetivo principal dessa pesquisa é compreender como os jogos e que tipos de jogos têm sido utilizados em sala de 8 aula, além de realizar uma reflexão sobre a relação entre esses sua inserção no cotidiano escolar e currículo, compreendendo-o através das teorias críticas e pós-críticas. Nessa pesquisa discute-se os jogos digitais entendidos como material didático e suas possíveis aplicações no ensino de história, além de concepções ideológicas e narrativas históricas que os jogos digitais podem produzir. Por fim, essa dissertação ainda a apresenta a proposta de um “produto” – um website que compartilhará com os interessados nesses assuntos os resultados advindos dessa pesquisa.
Palavras-chave
Ensino de História; Saberes e Práticas no Espaço Escolar; Aprendizagem Histórica; Jogos Digitais; Currículo; Materiais Didáticos; ProfHistória
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
MARINA OLIVEIRA DE ALMEIDA GÊNERO, CURRÍCULO E CULTURA ESCOLAR EM UMA ESCOLA NA PERIFERIA DA ZONA LESTE DA CIDADE DE SÃO PAULO 2019 ALEXANDRE PIANELLI GODOY UNIFESP
Resumo
As relações de gênero se constituem como relações de poder que perpassam diversas esferas da sociedade, incluindo a educação e o ensino de história. Essa dissertação pretende analisar como essas relações estão estabelecidas em propostas curriculares de história no período pós redemocratização no Brasil. Investigamos também como essas estão marcadas em uma escola estadual localizada na periferia da zona leste de São Paulo, através de um estudo etnográfico de sua cultura escolar, para compreender teoria e prática. Por fim, apresentamos uma proposta didática que lida com a ideia de diversidade, surgida a partir do contexto desta escola.
Palavras-chave
Gênero; Ensino de História; Cultura Escolar; Currículo; ProfHistória.
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
PATRÍCIA ANGÉLICA DE OLIVEIRA FARIAS REPRESENTAÇÕES DOCENTES SOBRE ALUNOS INDÍGENAS E AS IMPLICAÇÕES DA LEI 11.645/2008 2019 CIRCE MARIA FERNANDES BITTENCOURT UNIFESP
Resumo
A partir das entrevistas de três professoras e três professores de História de duas escolas municipais do entorno da TI Jaraguá/SP realizadas no primeiro semestre de 2018, este trabalho busca compreender de que maneira as representações que estes docentes têm das populações indígenas como um todo impactam suas práticas pedagógicas, tanto em termos de abordagens da História Indígena quanto em termos de integração das diversas identidades dos alunos no cotidiano da sala de aula à medida que, desde 2008, temos uma Lei (11.645/2008) que torna o ensino da História Indígena obrigatório e também dada a peculiaridade de haver alunos indígenas que estão matriculados nas escolas onde os entrevistados lecionam. Neste sentido, apoiamo-nos teoricamente nas elaborações de Henri Lefebvre no que diz respeito a Teoria das Representações, no conceito de cultura escolar de Dominique Julia (2001), nas ideias de Eliana Monteiro (2011) sobre o uso do estudo de caráter etnográfico como forma de aproximação das culturas escolares e das metodologias de trabalho com fontes orais discutidas por Michael Pollak (1992) e Alessandro Portelli (1997) para olhar além da primeira camada dos relatos dos professores. Baseados nas entrevistas e no breve estudo de caráter etnográfico, pudemos discutir questões como a apropriação pelos docentes entrevistados dos debates em torno do movimento de construção curricular da SME/SP (ocorrido entre os anos de 2013-2016), o impacto da Lei 11.645/2008 sobre as abordagens docentes em relação a História Indígena e visibilidade ou invisibilidade das identidades indígenas no cotidiano escolar.
Palavras-chave
Ensino de História; História Indígena; Representações Docentes; Lei 11.645/2008; ProfHistória.
Link
Dissertação