• facebook

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 220 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
FÁBIO AQUINO DE ALMEIDA PARA LER A MÔNICA : REFLEXÕES SOBRE QUADRINHOS, INDÚSTRIA CULTURAL E ENSINO DE HISTÓRIA 2017 HENRIQUE LUIZ PEREIRA OLIVEIRA UFSC
Resumo
Este trabalho constitui-se em um conjunto de reflexões sobre histórias em quadrinhos, como produto da indústria cultural e sua relação com o ensino de história. Para isso são usadas como base as leituras e análises das práticas do uso dos quadrinhos como fonte histórica ou como material de apoio didático relatadas em estágios ou artigos. Nele também se faz um estudo de caso sobre a coleção Você Sabia da Turma da Mônica, a respeito não apenas da história ensinada pela coleção, mas também das relações materiais estabelecidas pela história em quadrinhos que ultrapassam a construção de uma consciência histórica para moldarem outras relações de consumo e ideologia com o leitor. Este estudo se dá a partir de uma aproximação da perspectiva de consciência histórica de Jörn Rüsen, com a pedagogia crítica baseada em Paulo Freire. Como resultado prático deste estudo foi gerada uma pequena revista em quadrinhos experimental. Esta revista procura debater, pautada em Paulo Freire e Adorno, de modo acessível para estudantes, o conceito de indústria cultural, estabelecendo um olhar crítico sobre a mesma e debatendo sua relação social com o mundo e a formação ideológica dos mesmos.
Palavras-chave
Profhistória; Ensino de História; Indústria Cultural; Quadrinhos
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
RAFAEL ALVES BASTOS PRIVATTI QUE HISTÓRIA É ESSA? LETRAMENTO EM HISTÓRIA E EM LÍNGUA PORTUGUESA NOS ANOS INICIAIS DA ESCOLARIZAÇÃO 2016 JUÇARA DA SILVA BARBOSA DE MELLO PUC-RIO
Resumo
Trata-se de um estudo sobre o ensino de história nas séries iniciais do ensino fundamental e suas implicações para os anos finais deste mesmo ensino fundamental (1º ao 5º e 6º ao 9º anos, respectivamente). Muito comuns são as lamentações dos professores de sexto ano a respeito das relações já estabelecidas com a história e os educandos deste ano. Por outro lado, temos os professores de 1º ao 5º ano que não somente não possuem formação, via de regra, voltada para o ensino de história especificamente, como também sofrem pressões mais voltadas para o letramento em Língua Portuguesa e para o letramento em Matemática, ficando, portanto, outras áreas de ensino e aprendizagem, como a Geografia e a História, enquadradas em atividades complementares e normalmente não obrigatórias para os planejamentos desta fase. Com estas atividades, poucas ou muitas, não importa, e uma grande quantidade de materiais de temática ou, digamos, origens históricas, sendo apresentadas aos alunos, dentro, mas principalmente fora da escola, produzidos não exatamente por historiadores, como filmes, séries, jogos, propagandas, músicas e etc. (história pública), os educandos chegam ao sexto ano com diversas e, muitas das vezes, consistentes construções sobre a história (consciência histórica). Sendo assim, não é possível negar que eles já tenham formulações sobre e como a história funciona, suas funções e provavelmente até especulem seus métodos de construção. Portanto, se aproximar destes anos iniciais seria fundamental para em conjunto com as diversas formas de construções históricas, trocarmos conhecimentos em favor de construções históricas que se seguirão por toda a vida. Um dos caminhos possíveis, são os desenhos animados, linguagem imagética familiar e recorrente para parte considerável dos educandos de todo o ensino fundamental. Construí-los na íntegra, de forma autoral, é parte do esforço intelectual do trabalho em questão. Roteiro, dublagem, animação, edição, produção e pós-produção são demandas do autor. Os materiais, disponibizados no site YouTube (Canal Animações Revolução), com ampla e total liberdade aos espectadores para significá-los e resignificá-los, de acordo com seus interesses em História, possuem três matrizes: a História e Cultura Afro Brasileira, a História e Cultura da África e a História e Cultura dos Povos Indígenas Brasileiros, todas presentes na Lei 11645. Compreender os contatos possíveis dos educandos com a História em seus primeiros anos de escolarização em favor de consciências históricas plurais faz-se necessário para o ensino de História em toda a educação básica.
Palavras-chave
Ensino de História; Letramento; Desenho Animado; Historia da Africa e da Cultura Afro Brasileira
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
PRISCILLA DE SOUZA CRUZ FERREIRA PINTO AVALIAÇÕES COMPARADAS, ENSINO DE HISTÓRIA E A FORMAÇÃO DO CIDADÃO DO NOVO MILÊNIO 2016 EUNÍCIA BARROS BARCELOS FERNANDES PUC-RIO
Resumo
Os alunos das escolas públicas da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro realizam um número considerável de avaliações comparadas e diagnósticas ao longo de um ano letivo. O presente trabalho estabelece conexão entre essas e acordos internacionais dos quais o Brasil participa com o objetivo de ampliar o acesso à educação e também de promover um ensino de qualidade. A proposta de tais avaliações é gerar dados que alimentam os índices educacionais em todo o país, viabilizando políticas públicas, neste trabalho, porém são identificados outros desdobramentos tais como a geração de rankings de escolas que atingem posicionamentos de outros agentes que não o governo ou interferência nos conteúdos escolares, como no caso do ensino de história. O trabalho discute tais realidades para argumentar em favor de uma articulação entre a cidadania nacional e a cidadania global
Palavras-chave
ENSINO DE HISTORIA; AVALIACOES COMPARADAS; CIDADANIA
Link
Dissertação