• Quem é Quem - Profhistória
  • Facebook
  • Youtube

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 408 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
RAFAEL PRINTES ALBARELLI DE CASTRO O USO DA PINTURA RUPESTRE DA REGIÃO AMAZÔNICA COMO FONTE HISTÓRICA: UMA POSSIBILIDADE NA DISCIPLINA HISTÓRIA NO SEXTO ANO 2019 CARLOS AUGUSTO DE CASTRO BASTOS UFPA
Resumo
Esta pesquisa teve como objetivo apresentar a experiência vivenciada na Escola Estadual de Ensino Fundamental “Professor Waldemar de Freitas Ribeiro”, no município de Belém, capital do estado do Pará, de como se trabalhar com uma fonte histórica, que na maioria das vezes, seja nos manuais didáticos ou fora deles, os historiadores deixam muito à margem: a pintura rupestre, em especial as da região amazônica. A pesquisa envolveu a única turma da manhã e as três turmas da tarde de sexto ano do ensino fundamental. Para que fossem alcançadas melhores análises e resultados com o uso das pinturas rupestres, buscou-se uma forte aproximação com a Arqueologia. Para que fosse detectado o entendimento dos estudantes no que tange à pintura rupestre, foi aplicado um questionário composto de quatro perguntas (antes e depois da aplicação da oficina de produção de pinturas rupestres). A execução de uma oficina de produção de pinturas rupestres se apresentou como um dos pontos altos desta pesquisa. Esta estratégia de utilização da pintura rupestre visa colaborar para que os estudantes passem a lançar um outro olhar sobre a “Pré-História”, sobre os seres humanos que viveram nesse período, e também à chamada pintura rupestre (sendo muito mais caracterizada como uma fonte histórica).
Palavras-chave
ProfHistoria; Pintura rupestre; Arqueologia; Ensino de História; Educação Básica.
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
TOMÉ MONTANARO FERREIRA DA SILVA : LUGARES DE MEMÓRIA DAS CULTURAS NEGRAS EM BRAGANÇA-PARÁ: EXPERIÊNCIAS COM O ENSINO DE HISTÓRIA 2019 MARIA ROSEANE CORREA PINTO LIMA UFPA
Resumo
O presente trabalho tem como objetivo perscrutar os lugares de memória das culturas negras em Bragança, no Estado do Pará, a partir de experiências no ensino de história com alunos do ensino fundamental. Para tal, elencamos lugares de memórias na cidade, que serviram como pontos a serem visitados e investigados por uma turma de alunos do sétimo ano do ensino fundamental da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Professor Bolívar Bordallo da Silva. As questões desenvolvidas tiveram como mote o que os alunos conhecem sobre os negros, entre as histórias contadas em sala de aula, que remontam aos tempos da escravidão e registram a presença negra africana na região, e as marcas culturais dessa presença ainda viva nos dias atuais. Após as leituras prévias que orientaram a elaboração do projeto, que se desenhou como uma pesquisa-ação, a metodologia de trabalho com os alunos se dividiu em dois grandes momentos: aplicação de questionários e visitações aos locais selecionados, seguida de atividade com os mesmos. Quanto à aplicação de questionários, esses foram feitos como sondagem aos alunos a respeito do tema específico da vida do negro na história e de como na contemporaneidade ainda existem traços que são delimitados como partes do cotidiano de Bragança. No segundo ponto, o da metodologia, seis locais para visitação foram escolhidos. Nesse segundo caso, articulou-se o ensino formal em sala de aula e o ensino em outros espaços com objetivo de possibilitar aos alunos um aprendizado histórico em lugares que fazem parte de seus cotidianos, mas que estão silenciados do currículo formal. Parte do que é definido como cultura negra faz parte do contexto da história de Bragança, embora algumas façam parte da vivência dos alunos, estes não associam como parte estruturante de um processo que vem de um período que foi caracterizado no país como escravidão negra africana, e se dinamiza até o presente. Foram pensadas estratégias que fizeram os alunos relacionarem e perceberem que nos espaços em que eles vivem pulsam as histórias e memórias de forma que os lugares também são objetos de estudos cujo olhar do aluno pode ser orientado pelo professor.
Palavras-chave
ProfHistoria; Ensino de História; Lugares de Memória; Culturas Negras; Educação Básica.
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
WILLIAM FONSECA FREIRE ENTRE O SILÊNCIO E A MARGINALIDADE: A HISTÓRIA DA AMAZÔNIA NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO. 2019 CONCEIÇÃO MARIA ROCHA DE ALMEIDA UFPA
Resumo
Este trabalho, vinculado a linha de pesquisa Linguagens e Narrativas históricas: Produção e Difusão, objetiva pesquisar, interpretar e analisar as narrativas amazônicas no Ensino da História, dos livros didáticos às visões de alunos do Ensino Médio. Para tal, parte de uma pesquisa ação, de cunho qualitativo e do tipo bibliográfico, cujo corpus compõe-se dos construtos teóricos de Rüsen (2011), Choppin (2004), Bittencourt (1993), Munakata (1997), entre outros, os quais fomentam discussões acerca de diversas abordagens do livro didático no Ensino da história, além de pontuarem o livro enquanto produto cultural. Ainda, conta com as análises dos alunos do Ensino Médio, a partir do estabelecimento de debates, oficinas para a escolha do livro didático e sua consideração enquanto objeto de abordagem historiográfica, sobretudo, em relação a construção do elemento regional e sua interferência nas narrativas do material didático em questão, especificamente, o conceito de região amazônica e sua historicidade. O produto deste estudo concentra-se na produção participativa de site contendo o percurso e o caminhar, a desconstrução e a reconstrução de novas leituras das escritas da história da Amazônia.
Palavras-chave
ProfHistoria; Narrativas de Jovens; Amazônia; Ensino de História; Livro Didático; Educação Básica
Link
Dissertação