• Quem é Quem - Profhistória
  • Facebook
  • Youtube

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 408 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
DANILO ALVES DA SILVA LETRAMENTO HISTÓRICO-DIGITAL: ENSINO DE HISTÓRIA E TECNOLOGIAS DIGITAIS 2018 MARGARIDA MARIA DIAS DE OLIVEIRA UFRN
Resumo
• Resumo : Esta pesquisa tem como objetivo principal construir um caminho investigativo para o ensino de História utilizando tecnologias digitais no desenvolvimento do conhecimento histórico com estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental do Colégio Marista Pio X, situado na cidade de João Pessoa, Estado da Paraíba. A estratégia metodológica utilizada foi uma abordagem qualitativa do tipo exploratório, em virtude de ser este um problema pouco investigado, e o procedimento adotado foi a análise documental. Por se tratar de um mestrado profissional, desenvolveu-se uma intervenção pedagógica no campo empírico, a partir da elaboração de uma metodologia intitulada de “letramento histórico-digital”, que consiste em um processo de desenvolvimento de habilidades pelos estudantes para a investigação histórica organizado em três etapas, possibilitando-se que, na primeira delas, o estudante aprenda procedimentos de pesquisas que o auxiliem na construção do conhecimento histórico; na segunda, que se aproprie de saberes tecnológicos e digitais aplicados à pesquisa histórica; e, por último, que desenvolva uma competência narrativa, expressando por meio de diferentes linguagens uma narrativa com sentido histórico. A pesquisa indicou que o ensino desenvolvido em plataformas digitais pode despertar o interesse dos estudantes pela História, apontando a necessidade de o professor fazer uma mediação no processo de ensino e aprendizagem que se utilize de plataformas digitais, além de confirmar que um caminho investigativo no ensino desse componente curricular pode viabilizar o letramento histórico-digital de estudantes na Educação Básica, estimulando o pensamento histórico e a reflexão sobre diferentes maneiras de ensinar e aprender História.
Palavras-chave
PROFHITÓRIA; Letramento histórico-digital. Ensino de História. Tecnologias Digitais.
Link
DISSERTAÇÃO
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
FERNANDO VASCONCELOS BENEVIDES O FAROL DO MUCURIPE ILUMINANDO O ENSINO DE HISTÓRIA NO CAMINHO PARA A PRÁTICA DA CIDADANIA EM FORTALEZA: PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL 2018 JOSE EVANGELISTA FAGUNDES UFRN
Resumo
Esta dissertação trata-se do embasamento teórico-metodológico da cartilha, anexa a este trabalho, intitulada A recuperação do Farol do Mucuripe na visão de alunos do oitavo ano - projeto de intervenção em Educação Patrimonial. Ela é um produto pedagógico exigido pelo Mestrado Profissional em Ensino de História como trabalho final de conclusão do curso. O formato de cartilha foi escolhido por ser mais acessível e ter linguagem de fácil compreensão. O trabalho foi desenvolvido dentro da linha de pesquisa Saberes Históricos em Diferentes Espaços de Memória e tem o objetivo de contribuir com o Ensino de História tendo como referência o conceito de consciência histórica, do historiador alemão Jörn Rüsen (2007). De acordo com ele, a finalidade do Ensino de História é formar indivíduos conscientes que são sujeitos históricos, ou seja, que possuem papel social. A teoria corrobora com os documentos que legislam a educação básica no Brasil, a qual a História está inserida enquanto disciplina escolar, que apontam a formação do cidadão como objetivo da mesma. Seguindo esses preceitos, a cartilha constitui um projeto possível de ser aplicado em turmas de oitavo ano do Ensino Fundamental de escolas de Fortaleza, podendo ser desenvolvido pelo professor de História com o apoio da instituição de ensino em que leciona. A proposta, experienciada em uma escola particular da capital cearense, tem como objeto de reflexão o antigo Farol do Mucuripe, que foi empregado como recurso didático para a aprendizagem da História e o exercício da cidadania. O projeto estimula a problematização, por parte dos alunos, do atual estado de abandono e deterioração do prédio localizado na comunidade Serviluz, bairro Cais do Porto, levando-os a analisarem a importância histórica do Farol e a proporem soluções para a situação da edificação. Ao longo da execução, os estudantes respondem a perguntas como: Por que o prédio deve ser preservado? Que utilização deve ser dada a ele? A aplicação do projeto se dá utilizando os preceitos da Educação Patrimonial enquanto metodologia didática, ou seja, identificação, registro e valorização do patrimônio histórico.
Palavras-chave
Profhistória; Ensino de História; consciência histórica; Educação Patrimonial; Cidadania.
Link
DISSERTAÇÃO
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
HALISSON SEABRA CARDOSO A ESCOLA QUE OS ÍNDIOS QUEREM: EXPERIÊNCIA ESCOLAR INDÍGENA POTIGUARA NO CATU DOS ELEOTÉRIOS EM CANGUARETAMA/RN (2009 – 2018) 2018 LIGIO JOSE DE OLIVEIRA MAIA UFRN
Resumo
A Constituição Brasileira de 1988 é clara quando reconhece aos indígenas no Brasil os direitos às diferenças. Algumas das ameaças sobre a autonomia dos povos indígenas em nosso país na construção da sua própria história são as políticas públicas “para índios”, entre as quais a educação escolar nos territórios indígenas. A escola, sendo uma instituição externa à realidade histórica dos indígenas, pode ameaçar os grupos a quem ela abrange se tornando, como escreveu Gallois, uma “armadilha para a domesticação de conhecimentos”. Por outro lado, se esta escola for inserida nas situações vivenciadas pelos povos indígenas atendendo suas demandas e respeitando o caráter diferenciado, onde cada povo escolhe a escola que deseja, esta instituição pode ser uma ferramenta de empoderamento para o exercício da autonomia. Em razão dos efeitos de uma abrangente política indigenista, esta pesquisa buscou analisar o impacto de uma escola indígena em seu potencial caráter diferenciado para um povo indígena. A instituição escolhida para análise foi a escola indígena João Lino da Silva entre os Potiguara do Catu dos Eleotérios, localizada no município de Canguaretama – RN. A referida escola é a primeira escola indígena diferenciada no estado do Rio Grande Norte, tendo iniciadas as atividades com caráter diferenciado no ano de 2009, quando então, toda uma política didático-pedagógica foi reformulada com o fim de se enquadrar nos dispositivos legais da Educação nacional brasileira para os povos indígenas; neste sentido, justifica-se o recorte temporal desta pesquisa, entre 2009 e 2018, desde o efetivo funcionamento da escola indígena João Lino da Silva a atualidade. Este estudo foi realizado com base na chamada “nova história indígena” e na legislação educacional a respeito, além do acompanhamento da Educação Escolar Indígena.
Palavras-chave
Profhistória; Cidadania e identidade social; Escola indígena diferenciada; Catu dos Eleotérios (RN).
Link
DISSERTAÇÃO