• Quem é Quem - Profhistória
  • Facebook
  • Youtube

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 408 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
JOSÉ CONCEIÇÃO DA SILVA CONTANDO HISTÓRIAS NAS AULAS DE HISTÓRIA: UMA REFLEXÃO SOBRE MEMÓRIA E NARRATIVA 2018 RODRIGO DE ALMEIDA FERREIRA UFF
Resumo
Este trabalho tem como objetivos discutir, a partir dos conceitos de memória e narrativa, os conteúdos referentes à escravidão e à realidade dos afrodescendentes no pós-abolição próprios do currículo, considerando o nono ano do Ensino Fundamental. Partindo da prática de contar histórias de ficção para mobilizar os alunos, foi elaborado o personagem Julius. Homem negro criado no subúrbio do Rio de Janeiro, acometido por visões sobre o século XIX. Atordoado, passa a investigar a origem das imagens que aos poucos vão envolvendo-o. Em determinado momento, Julius relaciona as visões com as histórias contadas por um velho tio, com quem conviveu na infância. Histórias que seu tio ouviu quando era criança de pessoas que vivenciaram a escravidão. A memória é usada como uma ponte temporal que leva o personagem, sem sair do século XXI, a ir ao passado e voltar. Outro objetivo a ser alcançado é estimular a produção textual dos alunos, convidando-os a assumirem a redação da narrativa trabalhada. O trabalho apresenta um plano de aula para o desenvolvimento dessa atividade, e a descrição de sua aplicação em uma determinada turma de uma escola no bairro do Engenho de Dentro, subúrbio do Rio de Janeiro.
Palavras-chave
chave: Ensino de História; Memória; Narrativa; Didática
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
NICE REJANE DA SILVA OLIVEIRA CINEMA E ENSINO DE HISTÓRIA NA ESCOLA GRAÇA ARANHA EM IMPERATRIZ – MA 2018 MARTHA VICTOR VIEIRA UFT
Resumo
Esta pesquisa tem como tema o uso do cinema como recurso didático no ensino de História. Identifica-se que os filmes têm sido bastante empregados nas aulas de História, contudo, geralmente, os professores não problematizam a linguagem cinematográfica, usando-a como mera ilustração do processo histórico. Visando perscrutar o potencial comunicativo da narrativa fílmica na educação básica, de forma a estimular os alunos a interagirem com a imagem de forma crítica, essa investigação tomou como objeto de estudo as metodologias aplicadas, com esse recurso, pelos professores nas aulas de História, na escola Graça Aranha, em Imperatriz-MA. Os dados coletados foram adquiridos nas rodas de conversa feitas com os professores da área de Ciências Humanas (História, Geografia, Sociologia e Filosofia). Nas rodas de conversa, foram analisadas as estratégias didáticas operadas por esses educadores, a partir de seus relatos e experiências. Discute-se, também, nesta dissertação, a trajetória e as prescrições dos filmes como recurso pedagógico nos livros didáticos, tomando como exemplo dois manuais da 3ª série do ensino médio, intitulados Oficina da História (2013) e História das Cavernas ao terceiro milênio (2010). Esses manuais foram selecionados por serem os livros utilizados pelos professores de História do Centro de Ensino Graça Aranha, que são sujeitos dessa investigação. Nota-se que o livro didático ainda é um referencial importante para os professores, pois todos os docentes participantes da pesquisa exploram esse recurso pedagógico. Como produto final dessa dissertação, elaborou-se uma proposta de efetivação do projeto “Luzes, Câmera e Educação”. Além disso, apurou-se que as rodas de conversa constituem um procedimento interessante para a proposição de metodologias e de melhorias no ensino de História, que pode ser implementada na formação continuada dos professores.
Palavras-chave
ProfHistoria, Ensino de História,Linguagens; Filme; Recursos Didáticos; Metodologias de Ensino
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
KEILA DA SILVA LIMA IMAGENS DA CIDADE DE BOA ESPERANÇA (PR): AS EXPOSIÇÕES FOTOGRÁFICAS DA CASA DA CULTURA FRANCISCO PEIXOTO SOBRINHO (1997-2018) 2018 MICHEL KOBELINSKI UNESPAR
Resumo
O objetivo geral desta dissertação é analisar as imagens do município de Boa Esperança-PR a partir da exposição fotográfica e das coleções fotográficas da Casa da Cultura Francisco Peixoto Sobrinho à luz dos conceitos da Museologia e do Ensino de História Local. A base teórica para essa discussão se respalda em autores que trabalham com Ensino de História em diferentes espaços de memória e educação patrimonial, dentre os quais destacamos: Horta (1999), Schmidt (2009), Bittencourt (2002), Possamai (2010) e MuseumsandGalleriesCommission (2001). A coleção de fotografias da Casa da Cultura abrange temas e períodos diversificados. Para nossa pesquisa, utilizaremos as que se situam no período compreendido entre os anos de 1997 e 2018, momento do registro de grande parte das imagens expostas e arquivadas. A linguagem da exposição fotográfica se constitui a partir de ideais de urbanidade e imaginabilidade e representam mudanças urbanas que ocorreram na cidade. Neste trabalho, pretende-se analisar a legibilidade urbana representada nas fotografias com a intenção de compreender os discursos, por meio das imagens e a própria organização de espaço urbano pelo poder público. Nessa perspectiva, procurar-se-á averiguar como se manifesta a imaginação dos estudantes ao entrarem em contato com o acervo de tal espaço cultural. A aplicação do projeto envolve alunos do oitavo ano do Ensino Fundamental (8º E.F.), seu embasamento teórico-metodológico parte das leituras de Lynch (1997), Certeau (1998), Barthes (1982) e Kossoy (2009). Entre os produtos resultantes do projeto, destacam-se a exposição fotográfica na Casa da Cultura Francisco Peixoto Sobrinho e a elaboração de uma cartilha em formato flippingbook, disponível em plataforma online, comportando atividades realizadas na escola, na Casa da Cultura e em alguns pontos da cidade (saídas de campo).
Palavras-chave
ProfHistória; Ensino de História; Fotografia; Exposição fotográfica; Imaginabilidade; Casa da Cultura; Boa Esperança-PR.
Link
Dissertação