• facebook

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 259 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
GRAZIELLY ALVES PEREIRA RESISTÊNCIAS AFRO-BRASILEIRAS NO ENSINO DE HISTÓRIA: A SALA DE AULA E AS LETRAS DE RAP 2019 CLEBER SANTOS VIEIRA UNIFESP
Resumo
A pesquisa analisa a relação de letras de Rap e ensino de História. O propósito é o de investigar como as letras desse gênero podem ou devem ser consideradas meios e instrumentos pedagógicos para a sala de aula, contribuindo para uma ecologia dos saberes nos parâmetros de Boaventura de Souza Santos. Procura-se apresentar que, além da condição de ferramentas didáticas para a produção do conhecimento histórico em sala de aula, as letras de Rap constituem também em importantes fontes para a reflexão sobre o ensino de história, cultura escolar e cultura juvenil. Parte-se do pressuposto de que rappers são sujeitos históricos que intercambiam saberes com a juventude periférica e que, portanto, constroem leituras de fatos históricos a partir de pontos específicos: juventude negra e periférica, ressignificando seus lugares de fala e configurando singulares leituras sobre o passado. Para tanto, analisaremos quatro letras do grupo de Rap Face da Morte, originário de Hortolândia, interior de São Paulo. O grupo se formou em 1995, e desde então produziram diversos trabalhos de cunho crítico e reflexão social, típicos do universo HIP HOP, especialmente do Rap. As letras em questão pertencem ao álbum MPB (Manifesto Popular Brasileiro), lançado em 2001, e são nomeadas pelos meses do ano e fatos históricos que ocorreram nos mesmos. As letras analisadas foram aplicadas e reescritas pelos/as alunos/as do oitavo ano da EMEF Dirce Genésio dos Santos, localizada no Jardim Iguatemi, zona leste de São Paulo.
Palavras-chave
Rap; Saberes; Ensino; História; Juventude; ProfHistória
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
JONAS TADEU AMARAL PINTO A HIPÓTESE-CINEMA: ESCOLA, PRODUÇÃO AUDIOVISUAL E ENSINO DE HISTÓRIA 2019 ALEXANDRE PIANELLI GODOY UNIFESP
Resumo
O presente trabalho tem como objetivo analisar as possibilidades geradas através da relação cinema, escola e ensino de história, por meio de uma perspectiva em que os estudantes possam ser protagonistas da produção do conhecimento. Nesse sentido, traz a proposta de uma prática pedagógica que desenvolva a educação do olhar com os alunos, que passam a ver o filme como documento histórico, produto cultural, e como criação artística, garantindo 6 também a ampliação do repertório cultural das turmas envolvidas. Tal análise constata que esse processo é entendido a partir do próprio desenvolvimento da disciplina escolar história, dentro das culturas escolares, (JÚLIA, 2001 e VIÑAO, 2007). Tomando a concepção de cinema como alteridade (BERGALA 2008, FRESQUET 2013, MIGLORIN 2015) adotou-se como ponto de partida as experiências de realização de produção audiovisual no ambiente escolar, a partir das dificuldades, tensões e estranhamentos que esse processo gerou dentro da escola municipal Profª Virginia Loriza Zeitounian Camargo. Dentro desse universo escolar, buscou-se instrumentos para mapear as formas de organização e partilha do sensível (RANCIERE, 2005) que possibilitassem encontrar potências, fissuras na estrutura de organização do espaço comum e assim permitissem trabalhar com o cinema na chave da alteridade. Foi proposta a realização de dispositivos de criação e captura de imagem que contribuíssem para o desenvolvimento de conceitos próprios ao ensino de história, tempo e narrativa, além de provocar uma nova organização do sensível. Assim, espera-se contribuir para a reflexão sobre os desafios e as potencialidades da produção audiovisual escolar no ensino de história a partir das culturas escolares específicas.
Palavras-chave
cinema; educação; produção audiovisual escolar; ensino de história; ProfHistória
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
JULIANA ESPERANÇA FERRINI O ENCONTRO ENTRE ENSINO DE HISTÓRIA E PATRIMÔNIO CULTURAL: UMA PROPOSTA A PARTIR DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (SANTO ANDRÉ-SP) 2019 LUCÍLIA SANTOS SIQUEIRA UNIFESP
Resumo
Este trabalho foi pensado especialmente para a discussão da historicidade e produção de memória sobre o território que hoje compõe o município de Santo André, juntamente com os alunos da EJA, que em sua maioria são de origem migrante. Por meio das memórias convencionais produzidas sobre o município e as relações de poder que se cristalizam nos processos de patrimonialização nas esferas municipal, estadual e federal, é possível refletir também sobre os vestígios do passado e como ele nos atravessa no presente, dentro do Ensino de História. Para tal, escolhemos como vetor de estudo e discussão a Vila de Paranapiacaba. Tombada nas três esferas e candidata a patrimônio cultural da humanidade pela UNESCO, ela fornece elementos que tangenciam as problemáticas levantadas ao longo da pesquisa: a passagem do tempo, a formação do território, as migrações, o trabalho, o patrimônio e sua preservação. Ao final, sugerimos uma sequência de atividades formulada a partir da docência junto aos alunos da EMEIEF Cândido Portinari, mas que pode ser apropriada e utilizada por outros profissionais interessados
Palavras-chave
Ensino de História; Patrimônio Cultural; Educação de Jovens e Adultos; Vila de Paranapiacaba; ProfHistória
Link
Dissertação