• Quem é Quem - Profhistória
  • Facebook
  • Youtube

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 408 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
THIAGO LISBOA RAMOS PARA ALÉM DOS MUSEUS: POR UM ENSINO DE HISTÓRIA PATRIMONIAL A PARTIR DO PALÁCIO DO RIO NEGRO 2020 MARIETA DE MORAES FERREIRA UFRJ
Resumo
A presente dissertação apresenta uma proposta de educação, na qual o patrimônio é o principal elemento articulador das aulas. Dessa forma, esse trabalho se propôs a uma ação de Educação Patrimonial com a criação de Caixas de Memória de um objeto que pode ser material ou imaterial. Para a sua realização usamos como elemento patrimonial articulador o Museu Palácio Rio Negro (MPRN), devido o mesmo permitir uma melhor afinação com o currículo do nono ano da rede municipal de Petrópolis. Além disso, o Palácio Rio Negro é o elemento principal de uma história silenciada: a “Petrópolis republicana”, que foi um período importante e marcante na cidade, mas que sobre o qual não há muitas pesquisas. Essa dissertação teve como produto final uma Caixa de História”, criada pelos alunos. Essa Caixa é composta de três documentos, nove fichas e nove exercícios que podem aumentar de tamanho através da inclusão de novos documentos, além de poder ser replicada para outros objetos, sendo uma experiência surpreendente do ponto de vista pedagógico, pois permitiu que temas aparentemente distantes se tornassem próximos aos alunos e extremamente cativantes.
Palavras-chave
Ensino de História. Educação Patrimonial. Patrimônio, acervos e museus. Espaços de memória. Palácio Rio Negro. Petrópolis
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
RONALDO ELÓI DA SILVA SANT`ANA A HISTÓRIA DA CIDADE DE DUQUE DE CAXIAS: ENTRE OFICINAS E JOGOS DIDÁTICOS 2020 FÁBIO GARCEZ DE CARVALHO UFRJ
Resumo
Esta dissertação se propõe a fazer uso de métodos de ensino de história como a utilização de fontes históricas, o emprego da História Local, de aulas-oficinas e do lúdico em sala de aula. Com o auxílio do conceito de consciência histórica trabalhado por Jörn Rüsen, a presente proposta de ensino tem como pressuposto básico criar situações didáticas nas quais os alunos possam identificar parte do processo científico de construção histórica e ainda contribuir com a estruturação da percepção de sua própria historicidade e da historicidade da localidade em que habitam. Para tanto, teremos a cidade de Duque de Caxias como objeto e contexto para ilustrar esta proposta de ensino de História. Desta forma, vamos propor que a aplicação desta proposta de ensino seja destinada aos alunos do 9º ano do ensino fundamental da rede pública ou privada da cidade estudada, pois faremos relações com temas da história geral que são abordados na série citada. Utilizaremos também a abordagem micro para a concepção do local como categoria de análise, pois a micro-história pode produzir efeitos de reconhecimento e sensibilização nos discentes para questões que não são contempladas pela análise macro. Como as aulas-oficinas precisam da participação ativa dos discentes, vamos propor também atividades ligadas ao exercício da cidadania. Pois conhecendo parte do processo histórico que resultou na realidade atual da cidade, acreditamos que será possível incentivar a atuação dos alunos como cidadãos e assim serão mais conscientes e capazes de agir em prol de mudanças que levem à melhoria da localidade.
Palavras-chave
Ensino de História. História Local. Jogos didáticos. Fontes históricas. Oficinas de História. Duque de Caxias-RJ.
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
LAILA CRISTINE RIBEIRO DA SILVA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM ARAGUAÍNA-TO: ESPAÇO REFLEXIVO E VIVÊNCIAS HISTÓRICAS 2020 VERA LÚCIA CAIXETA UFT
Resumo
Esta pesquisa foi desenvolvida junto aos colegas profissionais do ensino de História, atuantes na Educação de Jovens e Adultos da rede municipal de Araguaína-TO, tendo como base uma nova perspectiva da Formação Continuada promovida em parceria com a Secretaria Municipal de Educação. Teve, pois, como objetivo, o desenvolvimento de uma metodologia que valorizasse as identidades dos estudantes da EJA para que estas pudessem vir a ser consideradas no aprimoramento do trabalho com o currículo escolar. Apropriamo-nos dos pressupostos metodológicos da Pesquisa-Ação e, assim, buscamos o envolvimento de cinco professores regentes da disciplina de História, atuantes nas escolas do município. Estes, por sua vez, foram interlocutores na análise de suas próprias realidades. No que diz respeito às incursões teóricas, fundamentamo-nos em autores que se dedicaram ao aprofundamento de temáticas importantes, como por exemplo, a perspectiva da Formação Continuada trazida por Francisco Imbernón (2010); os estudos direcionadores sobre educação, de Paulo Freire (1987); as ideias acerca da Educação de Jovens e Adultos de Miguel Arroyo (2017), Moacir Gadotti (2011) e Alessandra Nicodemos (2017); as contribuições teóricas sobre o conceito de Memória e a sua utilização na formação da identidade de Michel Pollack (1992) e Alessandro Portelli (2016). Apoiamo-nos, em especial, em autores que se dedicaram ao ensino de História, como Jörn Rüsen (2010), Elza Nadai (1992), Maria Auxiliadora Schimt (2004); e, em Isabel Barca (2004), que ancorou a proposta didática com os pressupostos da Aula-oficina. Com o uso desse aporte teórico metodológico, analisamos os dados sobre a importância da utilização da Formação Continuada enquanto espaço para ampliação das reflexões acerca da Educação Histórica, a partir das próprias vivências dos estudantes da Educação de Jovens e Adultos. Na oportunidade, desenvolvemos, também, a organização do produto final da pesquisa que consistiu na elaboração de Eixos Temáticos, articulados com os relatos autobiográficos dos estudantes, para serem trabalhados em consonância com o referencial curricular local. Podemos inferir que a oportunidade de romper com o processo formal do currículo tradicional é fator de destaque do ensino por Eixos. Isso permite que os conteúdos sejam apresentados de forma mais rica e, dessa forma, o professor consiga alcançar com mais propriedade os estudantes desta modalidade de ensino, promovendo uma relação na qual os estudantes possam reconhecer a História como parte de suas vivências e perceber a sua condição enquanto sujeito histórico.
Palavras-chave
ProfHistoria, Ensino de História, Formação Continuada, Educação de Jovens e Adultos, EJA.
Link
Dissertação