• Quem é Quem - Profhistória
  • Facebook
  • Youtube

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 408 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
BRUNO BARROS DA SILVA DA AUTOBIOGRAFIA AO JOGO: O ENSINO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS DE MAHOMMAH GARDO BAQUAQUA 2018 LUCAS VICTOR SILVA UFPE
Resumo
A presente pesquisa intitulada “Da autobiografia ao jogo: o ensino das relações étnico-raciais a partir das experiências de Mahommah Gardo Baquaqua” tem por objetivo propor o ensino das relações étnico-raciais pelo viés da construção e utilização de jogos de tabuleiro com fins didáticos a partir das experiências de vida do sujeito biografado. A materialização dessa ideia foi motivada pela frequente reprodução de conceitos amparados em noções de senso comum ligados tanto à História da África quanto do ser negro pelos estudantes do Ensino Médio da Escola Técnica Estadual Alcides do Nascimento Lins no município de Camaragibe em Pernambuco, a partir da própria experiência docente nessa modalidade de ensino. Por suposto, essa situação, geralmente, acaba por perpetuar estereótipos racistas e preconceituosos que quase sempre são associados à cor da pele. Este que, por tanto tempo, foi invisibilizado perante a História mediante o processo de escravização atlântica e sua consequente subalternização entre os séculos XV e XIX. Para tanto, o arcabouço teórico que norteou a construção desse trabalho buscou subsídios nas ideias de diversos pesquisadores, sendo eles ligados tanto à questão do Ensino de História e suas nuances como foram os de Albuquerque Júnior (2012), Araújo (2013), Caimi (2015), Cerri (2011), Fernandes (2012), Freire (1987, 2004), Molina e Ferreira (2016), Rocha e Monteiro (2012), Rocha (2003), Rüsen (2001) e Zabala (1998); do ensino das relações étnico-raciais e seus respectivos desdobramentos a exemplo de Abreu e Mattos (2008), Araújo (2013), Azevedo (2011), Candau (2008), Gomes (2005), Silva, P. (2007), Silva, T. (2010, 2014); da biografia de Mahommah Gardo Baquaqua a exemplo de Baquaqua (1997, 2017), Lara (1989), Lovejoy (2002) e da própria conceituação, construção e utilização de jogos de tabuleiro em sala de aula, tais como os trabalhos de Andrade (2007), Brougère (1998), Ferminiano (2005), Fortuna (2000), Giacomoni e Pereira (2013), Huizinga (2014) e Pereira e Torelly (2015). Não obstante, esse estudo possibilitou ainda uma abertura significativa a novas possibilidades de ensino e aprendizagem e, consequentemente, de como utilizar o jogo como instrumento didático em sala de aula de forma lúdica e prazerosa sem que suas potencialidades sejam esgotadas. Por fim, ele possibilitou ainda e de forma bastante concisa, a viabilidade de ressignificação acerca de preconceitos e estereótipos negativados sobre diversos assuntos considerados áridos ao ensino dessa disciplina além da própria construção do jogo de tabuleiro “Baquaqua: uma viagem pelo Atlântico”.
Palavras-chave
ProfHistoria, Ensino de História,Jogos de tabuleiro. Baquaqua. Educação das Relações Étnico-Raciais. História da escravidão. História da África.
Link
Dissertaçao
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
SARA MENEZES FELIZARDO AS MULHERES NA HISTÓRIA DOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DE ENSINO FUNDAMENTAL II DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CRUZ DAS ALMAS/BA 2018 CLÁUDIA PONS CARDOSO UNEB
Resumo
O presente trabalho tem por objetivo analisar como a história das mulheres é apresentada nos livros didáticos de História, destinados às alunas e alunos do Ensino Fundamental II. Para isso, foi analisada a coleção História, Sociedade e Cidadania, de Alfredo Boulos Junior (2015). A escolha pela coleção justifica-se por ter sido a escolhida e adotada por 2/3 dos colégios municipais de Cruz das Almas/BA, município locus da pesquisa. Na primeira etapa do trabalho, buscamos compreender como as relações de gênero são construídas e de que maneira refletem na disciplina e no livro didático de História. Os documentos reguladores do Programa Nacional do Livro Didático foram analisados no capítulo seguinte, com o intuito de verificar se a história das mulheres consta entre as exigências do Programa. Em seguida, ao analisar os volumes da coleção História, Sociedade e Cidadania, destinados ao Ensino Fundamental II, procuramos analisar como a participação das mulheres nos diferentes processos históricos é apresentada nos livros didáticos de História, constituindo-se, assim, a identificação do problema. A partir do que foi identificado, podemos perceber que na história apresentada nos livros didáticos as mulheres majoritariamente ainda aparecem à margem e de forma descontextualiza, afastadas do texto principal, ou seja, as mulheres ainda não são devidamente representadas nos livros didáticos como sujeito histórico. Por último, com o intuito de abordar o problema, discutimos a utilização dos jogos para o Ensino de História e propomos como produto um jogo de cartas com personagens femininas, como possibilidade de trabalhar a história das mulheres nas salas de aula.
Palavras-chave
Ensino de História. Gênero. Produção e difusão de narrativas históricas. Livro didático de História. História das Mulheres
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
GIRLEIDE BARBOSA FONTES ENSINO DE HISTÓRIA: O CURRÍCULO, O LOCAL E A CULTURA ESCOLAR COMO ELOS CONSTITUINTES 2018 CARLOS ZACARIAS FIGUEIRÔA DE SENA UNEB
Resumo
A música, que sempre fez parte do cotidiano de quase todas as culturas, é uma fonte preciosa de informações sobre os seres humanos e suas relações sociais, através das quais podemos perceber aspectos subjetivos de quem interage com ela, assim como as representações simbólicas (re)produzidas na sociedade. Logo, é uma construção social e histórica que serve para comunicação e para transmissão de conhecimentos, técnicas, valores e crença de um povo. Baseado neste aspecto, esta dissertação tem como objetivo analisar as músicas do Ilê Aiyê (1975-2014), buscando ressaltar a representação de África disseminada pelas letras de suas músicas, visando a possibilidade de inseri-la como centro gerador dos conteúdos sobre a História e a Cultura afro-brasileiras em colaboração a aplicabilidade da lei 10.639/03. Para isso, foram catalogadas 88 músicas do Ilê Aiyê, delas selecionamos 19 que falam sobre África como fonte para desenvolvimento da pesquisa. Este trabalho tem como prioridade além de prescrever uma sequência didática, aplicá-la em sala de aula. Para isso, utilizaremos da metodologia de aula-oficina difundida por Isabel Barca com os alunos da Escola Pirajá da Silva. O programa de Mestrado em rede Profhistória orienta que se faça um produto como disseminador do conhecimento. Para esse fim, foi construído um portal digital denominado de cantonadiaspora.wixsite.com/cantonegro. Este recurso digital estará disponível em meio eletrônico para os alunos e professores da rede básica de ensino, para que sirva de instrumento d-idático para inclusão da história negra no ensino de História.
Palavras-chave
Ensino de História; Relações Etnicorraciais; Educação antirracista; Música; Ilê Aiyê
Link
Dissertação