• Quem é Quem - Profhistória
  • Facebook
  • Youtube

Lista das dissertações dos alunos do ProfHistória



Limpar

Foram encontrados 408 registros

Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
GISELI ORIGUELA UMBELINO APRENDER A DESAPRENDER PARA REAPRENDER”: A PERSPECTIVA DA DESCOLONIZAÇÃO DO GÊNERO NO ENSINO DE HISTÓRIA 2018 ANA MARIA MARQUES UFMT
Resumo
A presente dissertação objetiva produzir articulações teóricas dos campos de gênero, interseccionalidade e decolonialidade, considerando os marcadores de gênero, classe e raça/etnia. A análise das articulações teóricas foi realizada com o intento de produzir reflexões úteis sobre a formação continuada de professoras/es da educação básica. Nesse sentido, o foco da pesquisa voltou-se para as demandas da rede pública de Mato Grosso, cujo produto final foi o desenvolvimento de uma proposta de formação continuada com a temática: “Gênero, Interseccionalidade e Decolonialidade: perspectivas e abordagens para a descolonização do gênero no ensino de história”. Com o desenvolvimento da pesquisa, ao priorizar o destaque às produções regionais de mulheres, buscou-se reconhecer o trabalho acadêmico e científico feminino como predominante. Desse modo, espera-se contribuir para um ensino de história comprometido com o desenvolvimento de novas formas de pensar o mundo. Sem ignorar os obstáculos impostos a esse caminho formativo, ao problematizarem as relações de poder produtoras de desigualdades, pretende-se sublinhar as contribuições destas categorias para o necessário exercício de se perceber, repensar e mudar práticas educativas.
Palavras-chave
ProfHistoria ENSINO DE HISTÓRIA GÊNERO RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS DESCOLONIZAÇÃO DO GÊNERO FORMAÇÃO DOCENTE FORMAÇÃO CONTINUADA
Link
Dissertaçao
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
JULIANA RAMOS DE ARRUDA OS LUGARES DE MEMÓRIA DA CIDADE DE RONDONÓPOLIS-MT: ENSINO DE HISTÓRIA NOS ANOS INICIAIS, CULTURA E PATRIMÔNIO 2018 NILEIDE SOUZA DOURADO UFMT
Resumo
O presente trabalho apresenta uma problemática bem atual, mas pouco explorada, a de como estudantes dos anos iniciais constroem conhecimento histórico de sua cidade? Esta problemática levou-nos a pesquisar o contexto histórico e geográfico da cidade de Rondonópolis e os patrimônios históricos e culturais que possibilitam o ensino de História local e regional. Identificamos e elegemos na pesquisa, locais no espaço urbano como lugares de memória, para este propósito apropriamos do conceito de Memória Social e Memória Coletiva, já que estes conceitos compartilham a reflexão de que a memória é uma construção social. Também apresentamos e discutimos neste trabalho o patrimônio cultural no ensino de História, as contribuições da metodologia da Educação Patrimonial para o desenvolvimento da identidade e criticidade do estudante frente à história da sua localidade. Para responder à problemática, desenvolvemos neste trabalho uma oficina sobre educação patrimonial com docentes e uma ação educativa nos lugares de memória da cidade com estudantes, sendo as narrativas dos estudantes, acerca da atividade, sistematizadas em desenhos e textos, fonte para a análise do conhecimento histórico construído
Palavras-chave
ProfHistoria ENSINO DE HISTÓRIA PAISAGEM CULTURAL ESPAÇO URBANO LUGARES DE MEMÓRIA
Link
Dissertação
Autor Título da Dissertação Ano Orientador Instituição
LOAMI ALBUQUERQUE GAMA LOPES O PROTAGONISMO JUVENIL COMO SUPORTE PARA CIDADANIA: UMA PROPOSTA DE DISCIPLINA ELETIVA EM HISTÓRIA PARA ESCOLA PLENA EM MATO GROSSO 2018 VITALE JOANONI NETO UFMT
Resumo
A educação em seus diferentes níveis é reflexo da gestão institucional e coparticipação da sociedade, família e Estado. Aos três níveis de coparticipação o professor de História assume a sua responsabilidade como agente “mediador” para educação e promoção de uma educação pública, gratuita e laica de qualidade. Os diferentes modelos de família se convergem no espaço público escolar, e fica sob responsabilidade do Estado promover uma proposta de ensino que no mínimo atenda para o exercício pleno da cidadania. O ensino de História, nesse contexto, pode assumir potencializar o diálogo crítico dos estudantes com a sua realidade sociocultural em perspectiva histórica, tendo as temáticas sensíveis da História do Brasil como locus privilegiado de leitura de mundo. Diante dos desafios estruturais do século XXI, os modelos tradicionais de ensino estão postos em cheque e o Estado brasileiro pretende “inovar” o ensino com a proposta do Novo Ensino Médio, editada por medida provisória desconsiderando os diferentes sujeitos da educação. Na perspectiva de uma educação integral para estudantes, em consonância com esse projeto, é implantado a partir de 2016 em Mato Grosso as “escolas plenas”, com uma metodologia se propõe a efetivar um ensino inovador para a escola média. Nesse sentido, o objetivo desta dissertação é fazer uma reflexão sobre a reforma curricular de História na escola média na contemporaneidade a partir das noções de protagonismo juvenil, identidade estudantil e cidadania. Como resultado dessa análise, apresenta-se uma proposta de disciplina eletiva para escolas plenas em Mato Grosso, com a finalidade de oportunizar espaços de debates e tomadas de decisões, favorecendo o protagonismo estudantil dentro das questões apresentadas pelo ensino de História no Ensino Médio. Almeja-se contribuir para a formação crítica desses jovens com base na percepção do sentido político da participação social dos estudantes e na proposição de ações coletivas em sua unidade educacional de representatividade e participação.
Palavras-chave
ProfHistoria ENSINO DE HISTÓRIA ESCOLA PLENA PROTAGONISMO JUVENIL CIDADANIA
Link
Dissertaçao